MP arquiva inquérito contra dona de casa que matou assaltante

Ela efetuou três disparos contra um trio que invadiu sua casa. O promotor de Justiça viu a reação como "razoável e justificável"

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Uma dona de casa que vive em Castanheira (780 km de Cuiabá) escapou nesta semana de ser processada pelo assassinato de um assaltante e os ferimentos causados em outro. O Ministério Público de Mato Grosso decidiu arquivar o inquérito policial contra ela. O entendimento do promotor de Justiça Dannilo Preti Vieira foi que a mulher agiu em legítima defesa.

De acordo com as investigações, no dia 20 de agosto do ano passado, por volta da meia noite, três assaltantes entraram na casa da mulher para roubar uma motocicleta que estava na área.

O marido dela percebeu a movimentação e, quando foi verificar o que estava ocorrendo, acabou rendido por um dos bandidos, que tinha uma faca.

Na sequência, conforme a Polícia Civil, os dois começaram a lutar. Enquanto isso, outro assaltante entrou na casa. Quando ele já estava na cozinha, a mulher saiu do quarto e atirou.

Ela efetuou três disparos e acertou dois dos bandidos na região do abdômen. Um deles acabou morrendo. O outro fugiu, mesmo ferido.

Ao decidir pelo arquivamento do caso, o promotor destacou que, na ocasião, “a vítima estava em sua residência, local que deve ser considerado abrigo inviolável, ambiente em que uma família utiliza como refúgio e abrigo, razão pela qual sua atitude mostra-se plenamente razoável e justificável”.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, naquela mesma noite, o trio de bandidos já tinha roubado outras duas motocicletas em Juína, que fica a 45 quilômetros de Castanheira.

Em depoimento, um deles disse que a intenção final era chegar a um garimpo em Aripuanã e, por isso, decidiram cometer outro roubo.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDEM quer acesso a investigações
Próximo artigoColigação diz que França é ficha suja