MP apura contrato de R$ 1,1 milhão do Governo com empresa citada em operação

Promotor cita que recebeu denúncias anônimas e que Governo não prestou informações quando solicitadas

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Ministério Público de Mato Grosso (MPE) abriu investigação para apurar supostas irregularidades em um contrato firmado entre o Governo do Estado e o Consórcio Tagtree, citado na Operação Rota Final. A portaria de instauração foi assinada pelo promotor de Justiça Mauro Zaque, na quinta-feira (1º).

No documento, o promotor revela que recebeu uma denúncia anônima levantando suspeitas sobre o processo nº 357297/2017, da Secretaria de Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag, antiga Seges).

O contrato foi firmado com valor de R$ 1.189.100, para prestação de serviços de apoio ao programa de modernização da gestão administrativa. O início dos trabalhos foi previsto para o dia 30 de março de 2017, com 120 dias de prazo para execução, a partir da emissão da ordem de serviço.

Foi aberto, então, um procedimento inicial para apurar a denúncia. Contudo, segundo Zaque, o Governo não respondeu aos questionamentos do promotor. Por isso, ele viu a necessidade de instaurar o inquérito civil, para obter maiores informações.

Operação

A Operação Rota Final foi deflagrada pela Polícia Civil no dia 25 de abril de 2018, e teve como principal alvo a Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados (Ager).

O objetivo foi apurar um suposto esquema envolvendo a Ager e as empresas do transporte intermunicipal. Segundo as investigações, empresários do ramo articulavam para evitar que a licitação do transporte intermunicipal fosse realizada.

Na época, o Consórcio Tagtree tinha um termo de R$ 11 milhões com a Secretaria de Infraestrutura e Logística (Sinfra), e era responsável pela modelagem e apoio às licitações.

Leia também

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS