Motoristas não recebem e Cuiabá e VG ficam sem transporte público

Muitas pessoas que necessitam do transporte reclamam de não terem sido avisadas

Foto: Divulgação/Sicom

Usuários de ônibus da Grande Cuiabá – que inclui a Capital, Várzea Grande e os distritos da Guia e Livramento – amanheceram com a surpresa de não ter nenhum coletivo nas ruas. Por não terem recebido no 5º dia útil, na última sexta-feira (7), os motoristas entraram em greve e 100% da frota está paralisada.

Segundo a assessoria de imprensa Associação Mato-grossense dos Transportadores Urbanos (AMTU), as empresas de ônibus alegaram que estão com dificuldade financeira e, por isso, não puderam cumprir com o pagamento dos motoristas no 5º dia útil. Porém, estão tentando viabilizar o dinheiro para manter os salários e entrar em acordo com os trabalhadores.

Os usuários foram pegos desprevenidos. Em grupos do WhatsApp muitos reclamam de não terem sido avisados para poderem se programar para a paralisação.

“Tem gente no ponto desde as 4 horas da manhã e até agora nada”, disse uma usuária que depende dos coletivos.

“Tinham que, pelo menos, ter avisado as pessoas que precisam de ônibus ontem, para dar um jeito de ir trabalhar hoje. Difícil”, avaliou outro.

Muitos tentam chegar a seus trabalhos utilizando os serviços de motoristas de aplicativos, porém, com a alta procura, as taxas dinâmicas estão fazendo os percursos ficarem até cinco vezes mais caros.

Por enquanto, não há previsão de retorno da frota de ônibus para as ruas de Cuiabá, Várzea Grande e dos distritos.

Motoristas estão todos em greve, sem previsão para retorno (Foto: Reprodução)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

3 COMENTÁRIOS

  1. Quando o ônibus era pago na viagem, até podiam alegar dificuldade financeira. Mas agora recebem antecipado. E o usuário que pagou antecipado agora está parado no ponto. Esse sim tem dificuldade financeira, pq não tem carro e pra usar carro de aplicativo o salário não dá.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMEC libera recurso para restaurar fachada do Museu Nacional
Próximo artigoReforma da Previdência: Neri Geller diz que o problema não é o “centrão”