Motoristas infratores ganham “anistia” de 4 meses

Depois de anunciar para esta segunda-feira (06) o começo do monitoramento por câmeras da faixa exclusiva de ônibus, e da aplicação de multas aos motoristas que a infringirem, a Prefeitura de Cuiabá recuou.

No início da noite de domingo (5), por meio de nota postada em sua conta do Facebook, o prefeito Emanuel Pinheiro comunicou a decisão de abrir uma “janela” de 120 dias, ao longo da qual os infratores serão apenas notificados.

“Mesmo havendo previsão legal para a punição dos infratores, entendo que não promovemos previamente uma ampla campanha educativa e de esclarecimento ao público”, argumentou o prefeito, na nota.

Apesar da justificativa apresentada, o fato é que a nova estratégia de fiscalização vinha dominando os debates do final de semana nas redes sociais. O tom das manifestações, em sua maioria, era de crítica à ampliação da suposta “indústria da multa”.

O prefeito utilizou o mesmo termo em sua nota -que foi rapidamente compartilhada por assessores em diversos grupos de WhatsApp. “Como a regra da nossa gestão é o trânsito humanizado focando a ‘indústria da vida’ e não a ‘indústria da multa’, [havia] a necessidade de ampliar a comunicação e se utilizar de medidas educativas antes de qualquer aplicação das sanções legais”, disse Pinheiro.

Se evitou o desgaste com os proprietários de veículos, a decisão prejudicou a grande maioria da população, que depende dos ônibus para se locomover. E é a própria prefeitura quem admite o fato, em nota publicada na sexta-feira (3).

“As frotas de ônibus têm enfrentado dificuldades para cumprir seus respectivos itinerários com celeridade. Com outros automóveis utilizando o espaço reservado para os usuários do transporte público, as viagens têm se tornado mais longas, prejudicando a qualidade do serviço.

Em entrevista à assessoria de comunicação do município, o secretário de Mobilidade Urbana, Antenor Figueiredo, lembrou que os ônibus transportam, em média, cerca de cinco milhões de passageiros por mês na capital -uma vez e meia a população do Estado.

“As faixas exclusivas foram criadas com a missão de deixar o caminho livre para que os ônibus circulem com mais rapidez. No entanto, quando todos passam a usar o mesmo espaço sem autorização, o trabalho desenvolvido pelos motoristas – que consiste em levar o usuário ao seu destino em tempo hábil – fica comprometido”, afirmou.

No Facebook, o prefeito reconheceu a necessidade de fiscalizar e punir os infratores. “A legislação já prevê aplicação de multa e outras sanções, inclusive admite a utilização dos meios eletrônicos da Central de Monitoramento em auxílio ao agente de trânsito (amarelinho)”, escreveu.

Mas, defendeu, é preciso antes “educar”. “Jamais a nossa gestão irá tomar medidas ‘goela abaixo’ e sem uma ampla discussão com a sociedade. Fui eleito para melhorar a vida das pessoas. Vamos investir na educação e na conscientização”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCongresso americano vai investigar grampos alardeados por Trump
Próximo artigoMaluf confirma interesse em disputar cadeira no TCE

O LIVRE ADS