Motoristas aderem à paralisação nacional e Cuiabá terá só metade dos ônibus

Movimento nacional luta contra a reforma da Previdência, em trâmite no Congresso

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Cuiabá terá apenas metade dos ônibus em circulação nesta sexta-feira (14). Motoristas do transporte coletivo da Capital resolveram aderir à paralisação nacional contra a Reforma da Previdência, proposta pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL).

De acordo com o presidente do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores do Transporte Coletivo, Ledevino da Conceição, dos 600 motoristas que atuam na Capital, 300 se manterão rodando normalmente ao longo do dia.

O efetivo de 30% – que deve ser mantido em caso de greve – não seria o suficiente para atender, sem mais transtornos, a demanda da capital, segundo Ledevino. “Ou a gente parava tudo ou optava por deixar metade dos trabalhadores atuando. Foi o que decidimos fazer”, disse o sindicalista.

Além de ser contrário ao projeto de reforma da Previdência, o sindicato é contra o bloqueio de recursos promovido pelo governo federal para o setor da educação, em especial o ensino superior.

“A causa é justa. Nós estamos batalhando para ver se mantém a aposentadoria dos trabalhadores com mais dignidade e protestando contra o corte na educação, porque vai ficar difícil para o trabalhador que não consegue pagar uma universidade particular”, explicou Ledevino.

Paralisação

A Associação Mato-grossense dos Transportadores Urbanos (AMTU) informou que já foi comunicada oficialmente sobre a decisão do sindicato e que é de inteira responsabilidade do sindicato que a paralisação seja previamente informada à população.

Na segunda-feira (10), as ruas de Cuiabá amanheceram sem ônibus, mas por outro motivo. A paralisação de 100% da frota ocorreu por conta de um atraso no pagamento dos salários. Uma negociação entre motoristas e empresários ocorreu no mesmo dia e por volta das 14h metade dos veículos voltaram a circular. A frota completa voltou às ruas por voltadas 17h.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMais cedo, mas nem tanto
Próximo artigoArrume sua cama