Mostra Territórios Hostis exibe filmes sobre conflitos sociais

O filme desta terça-feira revela o cotidiano de refugiados recém-chegados ao Brasil que dividem com um grupo de sem-tetos, um velho edifício abandonado no Centro de São Paulo

Durante três dias o Sesc Poconé realiza exibição de filmes que abordam temáticas como a desigualdade social, ganância, especulação imobiliária e o desrespeito por populações tradicionais e históricas, na  “Mostra Territórios Hostis”. A coletânea de filmes integra o projeto CineSesc. As sessões ocorrem às 18h, com entrada gratuita no Sesc Poconé.

Hoje, será exibido o longa-metragem “Era o Hotel Cambridge”, de Eliana Caffé. O filme, que tem classificação indicativa de 12 anos, mostra o cotidiano de refugiados recém-chegados ao Brasil que dividem um velho edifício abandonado no Centro de São Paulo, com um grupo de sem-tetos. Além da tensão diária que a ameaça de despejo causa, os novos moradores do prédio terão que lidar com seus dramas pessoais e aprender a conviver com pessoas que, apesar de diferentes, enfrentam juntos a vida nas ruas.

O filme da quarta-feira (10) é “O Futuro Perfeito“, de Nele Wohlatz. Longa-metragem argentino, exibe a história de Xiaobin, uma jovem chinesa de 17 anos que está perdida em um mundo novo. Após se mudar para a Argentina sem falar nenhuma palavra em espanhol, ela busca um rumo para seu futuro. Poucos dias depois de sua chegada, novos caminhos já vinham sendo traçados: ela já tinha um novo nome, Beatriz, e um emprego em um supermercado chinês. Ao se matricular em uma escola de línguas, a jovem vai aos poucos aprendendo novas palavras, ao mesmo tempo em que seu futuro é delineado.

Por fim, na quinta-feira (11), “Fátima”, começam sempre às 18h, com entrada gratuita, no Sesc Poconé. A protagonista do filme de Philippe Faucon, cria sozinha as duas filhas: Souad, de 15 anos, adolescente rebelde; e Nesrine, de 18 anos, começando os estudos de medicina. Ela não fala bem francês, o que frustra sua comunicação com as filhas, mas ainda assim ambas são a razão para que ela siga em frente. Um dia, em seu emprego como empregada doméstica, ela cai de uma escada. Convalescendo, escreve em árabe tudo o que nunca conseguiu dizer as filhas em francês.

De acordo com a chefe do Núcleo de Programas Sociais do Sesc Poconé, Carolina Barros, a escolha dos filmes evidencia o quanto a questão do território não é só um fenômeno brasileiro. “O filme é uma maneira de refletir sobre este tema que, direta ou indiretamente, faz parte da vida das pessoas e dos locais onde vivem”, destaca.

Até o fim desse ano, o CineSesc levará ao público mais seis mostras temáticas: “Terror Giallo Italiano”, “Corpos Elétricos”, “Arte e seu Enleio”, “Hong Sang-Soo”, “A História de Três Américas”, “A Família vai Bem, Obrigado”.

CineSesc

O CineSesc é um dos maiores circuitos de exibição de filmes no país. A iniciativa promove a circulação, difusão e o acesso a produções cinematográficas nacionais e internacionais. Apresenta obras com formas narrativas impactantes e que trazem reflexões sobre relevantes questões sociais, sempre alinhadas com os princípios sociais que movem a Instituição, incentivando o debate em torno do cinema brasileiro e internacional, comercial ou independente, em um eixo educativo, artístico e cultural. Nessa perspectiva, o projeto propõe um recorte temático, com filmes que abordam assuntos sociais relevantes. Em mais de uma década, cerca de três milhões de pessoas foram beneficiadas pelo projeto.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS