Mortes pela covid-19 podem ser evitadas no início do contágio, afirma médica

Especialista em clínica médica afirma que pacientes podem receber tratamento que ataca o desenvolvimento do vírus no organismo e aumenta a imunidade

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A especialista em clínica médica Raíssa Soares diz que os efeitos da covid-19 podem ser mitigados ainda na primeira semana do contágio, com a aplicação de medicação para a redução da carga vírus no organismo. 

Segundo a médica, formada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a prescrição de vitaminas D e C e de azitromicina combatem o processo inflamatório disparado pelo vírus e eleva a imunidade do paciente. 

“Estamos fazendo esse tratamento com base em evidências. Nós temos duas opções publicadas: azitromicina com ivermectina ou azitromicina com nitazoxanida, que pretendem reduzir a carga viral. E se pessoa tiver condições financeiras, mais vitamina D, zinco e vitamina C”, disse.

Lotada em posto do Programa da Saúde da Família (PSF) no município de Porto Seguro (BA), a médica Raíssa Soares afirma que o tratamento entrou no protocolo de atendimento da pandemia no Estado. 

O tratamento teve efeito em idosos e pessoas adultas até o momento. 

Fases do contágio 

Há 25 anos em atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS), a especialista afirma que o contágio do novo coronavírus se desenvolve em três fases. A primeira dura de cinco a sete e nela ocorre o aumento da carga viral. 

Esse seria o estágio de início do tratamento com a medicação recomendada. O combate do vírus nessa fase ajudaria a reduzir os danos do vírus no organismo e impedir de evoluir para as fases seguintes de infecção e complicação pulmonar. 

“A vida do vírus dura 12 dias, mas é entre o quinto e o sétimo dia que temos o tempo para combatê-lo. Depois disso, ele entra nas fases de complicação”, afirmou. 

A médica disse ainda que, apesar da covid-19 possuir características semelhantes a outras síndromes respiratórias agudas graves (SRGA), a avaliação de contágio pode ser orientada pela falta de paladar e perda do olfato. 

“Eu não conheço nenhum outro vírus que cause, além dos sintomas gripais, a perda de paladar e falta de olfato. Se esses sintomas estiverem no paciente eu recomendo essa medicação. Se não for a covid, o paciente recebeu vitamina”, pontua. 

A médica Raíssa Soares já participou também da criação de protocolos para a dengue e a gripe H1N1.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCampanha de vacinação contra Influenza segue até o dia 30 na Capital
Próximo artigoIdoso com covid-19 morre ao tentar fugir de hospital pela janela