Mortalidade pela covid é até 45% menor na segunda onda em MT

Estado registrou mais de 2,7 mil mortes pela doença entre junho e setembro de 2020. De dezembro a fevereiro, foram 1,1 mil

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A taxa de mortalidade pela covid-19 na segunda onda de contágio em Mato Grosso é até 45% menor que a registrada nos meses de pico da pandemia, em meados do ano passado. 

De junho a setembro, o registro de mortes cresceu 2.176%. No fim do primeiro semestre do ano passado, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) havia confirmado 126 óbitos pela doença. No início de setembro, o número chegou a 2.868 casos. Alta de 2.742 mortes. 

Conforme especialistas e a própria SES, esses foram os meses com maior média de casos novos ao dia, com a taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e enfermaria acima de 70%, já dentro do cenário de colapso da rede exclusiva para atendimento na pandemia. 

Para ilustrar a situação, no fim da primeira semana de junho, a taxa de ocupação de UTI estava em 47,7% de 228 leitos disponíveis à época. Trinta depois, a taxa subiu para 97% de 246 leitos disponíveis. Na primeira semana de setembro, a ocupação estava em 69%. 

Novo colapso?

Agora, Mato Grosso atravessa um cenário semelhante no que diz respeito a taxa de ocupação de leitos com pacientes em estado grave. Conforme o boletim divulgado nessa quinta-feira (25) pela SES, a ocupação de UTI está em 69,3%.

(Foto: Reprodução/Assessoria da Prefeitura de Cuiabá)

A diferença, entretanto, é que o número de leitos mais que dobrou no Estado. O boletim informa um total de 756 vagas pactuadas para atender a pacientes da pandemia. 

Mas de acordo com os boletins diários da Secretaria de Saúde, a segunda onda de contágio tem matado menos pessoas no Estado. 

Ela teve início em meados de dezembro. Se considerada a primeira semana daquele mês, o número de mortes confirmadas estava em 4.216, conforme o boletim da SES.

Até a primeira semana de fevereiro, esse número havia subido para 5.334, o que representa uma alta de 26%. E se forem acrescentadas as mortes que ocorreram até esta quinta-feira (25), o número sobe mais: 5.747 (36%).

O número de casos novos nesse período foi de 1.531, 55% da variação no pico da primeira onda.

Ainda assim, na primeira onda, a média de mortes diárias chegou a 40. Hoje, está na casa das 25, segundo o deputado estadual e médico sanitarista Lúdio Cabral (PT). 

“A medicina conseguiu lidar melhor com a doença, conforme o contágio ia avançando. Foi dando tratamento adequado na fase de alta infecção. Isso sem dúvida impactou o número de mortes agora, na segunda onda. Mas elas poderiam ser evitadas”, ele avalia. 

Segundo Lúdio, Estados e municípios poderiam ter adotado medidas de rastreamento de contágio nos meses de recrudescimento do contágio (entre setembro e novembro) para controlar o crescimento das taxas de doentes graves. 

“Mato Grosso tem menos mortes agora, mas tem a quarta maior taxa de mortes do país, atrás apenas de Estados como Amazonas, Para. O governo não se preparou para a segunda onda”, ele afirma. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPolícia suspende manifestação pacífica contra lockdown no interior de São Paulo
Próximo artigoTJ mantém júri de integrantes do Comando Vermelho acusados de matar rivais do PCC