Moro afirma que o governo tem o dever de proteger a agropecuária

Segurança no campo e demarcação de terras indígenas foram alguns dos temas abordados

Foto: Assessoria

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foi o convidado especial da reunião desta terça-feira (18) entre deputados e senadores membros da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Moro recebeu uma pauta prioritária do colegiado, com temas como segurança no campo e demarcação de terras indígenas, entre outros.

Sobre a presença do ministro no encontro semanal dos parlamentares, o deputado federal Alceu Moreira (MDB-RS), presidente da Frente, explicou que o colegiado tem realizado rodízio com ministros de Estado que tenham afinidade com a pauta da agropecuária.

“O ministro Sérgio Moro foi convidado há 45 dias para discutir política de segurança pública no Brasil, a ministra Tereza Cristina já esteve aqui e convidamos o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas”.

Foto: Assessoria

Para o parlamentar, a discussão sobre o porte de armas no campo é fundamental porque a violência rural tem crescido assustadoramente.

“O dono da propriedade rural tem que ter direito a posse, porte e transporte porque está num lugar isolado e o Estado não é capaz de garantir a segurança dele. Não é justo que ele não tenha acesso a arma, sendo que o bandido tem”.

De acordo com Moreira, é preciso ser extremamente rígido com a regulamentação disciplinar do uso das armas.

“Utilizá-la mal vai significar não ter mais o direito a usar arma na vida”, opinou. Nesse sentido, o presidente da FPA defendeu a aprovação, no Senado, do decreto de armas. “Negar só para oferecer uma derrota política ao presidente significa prejudicar a sociedade que quer ter o direto de se defender”.

A questão da demarcação de terras indígenas também foi abordada pelo presidente da FPA. De acordo com ele, a bancada solicita a edição de um decreto que mantenha no Ministério da Agricultura a responsabilidade pela demarcação de terras indígenas. “Quem tem conhecimento da questão fundiária, de ocupação de solo no Brasil, é o Incra. Ele é o especialista nisso”.

Alceu Moreira falou ainda sobre o contrabando no setor de tabaco. “A redução do tributo do cigarro longe de estimular o consumo vai estimular a fiscalização. Mas queremos mais. Queremos que se ofereça às empresas a oportunidade de contribuir com a criação de um fundo. Para cada volume de cigarro que não entra no Brasil por contrabando, poder pegar o volume de recursos arrecadados e colocar à disposição em armamentos e fiscalização de fronteira”.

Vice-presidente da FPA, Sérgio Souza (MDB-PR) também defendeu o porte rural de armas. “O setor agropecuário é um dos que mais sofre com a violência no Brasil. Na semana passada, um produtor de Mato Grosso teve seus defensivos agrícolas roubados, num prejuízo de 10 milhões de reais”. Para ele, aprovar a pauta anticrime proposta pelo ministro Sérgio Moro, aumentando o peso da pena em certos crimes, é um dos caminhos para inibir novos roubos. “Receptação, por exemplo, tinha pena branda. Isso tem que mudar”, disse.

O aumento da criminalidade nos municípios afetados pelo contrabando do tabaco vindo do Paraguai foi mencionado pelo deputado. “Além da opressão das forças armadas, é preciso colocar agentes infiltrados para entender o que está acontecendo lá”.

Em resposta às solicitações da FPA, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou que não vê nenhuma objeção à demarcação de terras indígenas ser tocada pelo Ministério da Agricultura. “Não sou especialista em questões indígenas, mas minha avaliação é no sentido de encontrar maneiras de desenvolvimento para essas populações para que saiam do estado de pobreza em que se encontram”.

Para Moro, essa é a grande missão da FUNAI, que passa agora a estar dentro do escopo do Ministério da Justiça. “É importante respeitar as tradições, mas o Estado tem que levar oportunidades de desenvolvimento para essas populações”.

Sobre o contrabando de tabaco, o ministro afirmou que é uma contravenção difícil de ser combatida. “ A maioria das pessoas envolvidas – estou falando dos pequenos, das mulas – não se sente mal com a atividade pelo fato de o produto ser lícito. E é tanta gente envolvida que a Justiça acaba sendo leniente. É difícil alguém ficar preso por contrabando de cigarro”.

De acordo com ele, mais de 40% do mercado brasileiro seria dominado pelo cigarro contrabandeado paraguaio. Moro explicou que foi criado um Grupo de Trabalho para tentar achar uma saída para o problema. “É uma questão de saúde pública. Cigarro faz mal em qualquer circunstância, mas esses contrabandeados são piores ainda porque não têm controle fitossanitário”.

A questão da segurança no campo, para o ministro, é outro desafio. “É difícil colocar a polícia de maneira ostensiva no ambiente rural. A melhor solução me parece ser a atividade investigatória. Quem realiza esse tipo de roubo é grupo organizado que precisa ter receptador para vender as mercadorias, precisa conhecer o negócio”.

Moro agradeceu a oportunidade de participar do evento semanal da FPA, afirmando que o setor agropecuário é o motor da economia brasileira, seu carro-chefe. “O governo tem o dever de adotar políticas públicas que protejam o setor e promovam o incremento da produtividade no campo”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCusto de produção da soja e do algodão tem ligeiro aumento durante maio
Próximo artigo“Armas não matam. O que matam são as pessoas”, diz Onyx na defesa de decreto

O LIVRE ADS