Moradores rejeitam centros para covid e Prefeitura de Cuiabá suspende instalação

Decisão engloba dois bairros da Capital onde, segundo o secretário de Atenção Básica, as pessoas ficaram com medo do aumento de casos

A Secretaria de Saúde de Cuiabá precisou recuar da instalação de centros especializados em atendimento a pacientes da covid-19 em dois bairros. A razão para isso foi o medo dos moradores de proliferação do contágio. 

O planejamento previa a adaptação de unidades básicas de saúde já construídas no Tijucal e no Cidade Verde para que fossem recebidas e consultadas as pessoas com sintomas de síndrome respiratória aguda grave (SRAG). 

“Mas os moradores não quiseram que a gente fizesse a mudança por medo de que, com o aumento na circulação de pessoas pelo bairro, indo para esses centros, também aumentaria o contágio. E não dá para jogar politicamente contra a população”, disse o secretário-adjunto de atenção básica, Luiz Gustavo Rabani Palma, ao LIVRE. 

Os centros especializados fariam o tratamento precoce das pessoas com sintomas da SRAG, o que inclui a covid-19. 

Segundo o secretário Luiz Gustavo, 16 unidades de atenção básica, além de Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e policlínicas, deverão começar a avaliar os sintomas de potenciais pacientes da covid-19 e receberão medicamentos do “kit covid”, caso o médico responsável pela consulta ache necessário. 

O que dizem os presidentes de bairro?

Presidente do Tijucal, Josimar Hebert Forte negou a informação de que os moradores teriam rejeitado a instalação ou adaptação de uma unidade em centro especializado para pessoas com SRAG.

Ao LIVRE, disse considerar que a medida seria “até melhor” para socorrer a população. 

Já a presidente do Cidade Verde, Márcia Auxiliadora Camargo, afirmou que a recusa ocorreu por causa das características da população idosa e do bairro, que possuí ruas estreitas e casas germinadas, incluindo a área do posto de saúde.

“Como não sabíamos o que era a doença, ficamos receosos. Aqui no bairro tem vários moradores na casa dos 50, 60 anos; as casas são grudadas umas nas outras. E se fosse trazido o centro especializado para cá, iria juntar pessoas o dia todo, num local em que, se um carro vem em uma direção, o outro tem que subir na calçada para deixar passar”, ela explicou. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBebê de um ano morre em acidente com espingarda em casa
Próximo artigoPolícia investiga morte misteriosa de bebê em maternidade de MT