Mistério: bombeiros procuram bebê que pode ter sido jogado em córrego pelos pais

Porém, até o momento, não há confirmação se ele realmente está na água

Foto: Corpo de Bombeiros

A população de Tabaporã (660 km de Cuiabá) está vivendo um mistério. Um bebê de seis meses está desaparecido e buscas por ele estão sendo realizadas no Córrego Sereno, que corta o perímetro urbano da cidade. Porém, até o momento, não há confirmação se ele realmente está na água.

O Corpo de Bombeiros de Sinop (500 km de Cuiabá) foi acionado nessa quarta-feira (8) pelo delegado da cidade para realizar as buscas ao menino no córrego.

O caso, no entanto, começou bem antes, mais exatamente no dia 27 de dezembro, quando, primeiro, os pais do menino foram vistos próximos ao Rio Sereno com o carrinho de bebê (mas as testemunhas não chegaram a ver se o bebê estava dentro do carrinho).

Depois, o casal foi visto sozinho, sem o menino e sem o carrinho. E, mais tarde, os dois foram vistos pedindo carona, apenas com mochilas e também sem o bebê.

Desde então, o casal não tinha mais sido visto na cidade. Eles sumiram abandonando a casa que moravam com móveis e alguns pertences pessoais deles e do filho.

Nessa quarta-feira, por fim, o Conselho Tutelar recebeu uma nova denúncia. Dessa vez, o denunciante dizia que o pai da criança teria pedido que fosse colocado fogo nas coisas do bebê.

Só então o carrinho foi encontro às margens do rio e uma investigação foi iniciada.

Segundo a Polícia Civil, os pais do bebê, inclusive, já haviam sido denunciados em outra ocasião por maus-tratos ao filho, que chegou a ficar na Casa de Passagem por um período. Mas, depois, os pais recuperaram a guarda.

Mas, diante de tudo isso – e também da denúncia -, ficou a suspeita de que eles tenham jogado o bebê no córrego.

Ao serem acionados, os bombeiros de Sinop enviaram três mergulhadores ao córrego ainda nessa quarta-feira (8) para fazer o reconhecimento do local.

Agora, na manhã desta quinta-feira (9), a equipe começou as buscas no local.

Mas, até o momento, não há a confirmação se o bebê realmente foi jogado dentro do córrego, ou se é apenas um alarme falso, e, caso seja, onde o bebê possa estar.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMudança em contribuição previdenciária passa em primeira votação na ALMT
Próximo artigoAmarrada e estuprada pelo padrasto, criança diz estar “cansada disso tudo”

O LIVRE ADS