Ministro diz que novo consórcio administrará BR-163 em MT

Atualmente, trecho é gerenciado pela empresa Rota Oeste, que ,de acordo com Tarcísio Gomes, não teria cumprido o contrato

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A concessão da rodovia federal BR-163, em Mato Grosso, deverá ser transferida para um novo consórcio, que  assumirá as obras de infraestrutura no trecho. A mudança foi anunciada nesta sexta-feira (16) pelo ministro de Infraestrutura e Transporte, Tarcísio Gomes.

Segundo o ministro, a concessionária Rota Oeste, atual gestora da concessão, perderá o direito de exploração por descumprimento de serviços previstos em contrato, como asfaltamento e recuperação de pista.

“Na transferência de controle, a empresa que assume tem que estar no controle 30 dias após a assinatura do contrato. Aí, ela terá quatro anos para fazer 366 km de asfaltamento que estão faltando, 375 km de recuperação e 25 km de via marginal”, disse.

A audiência pública para exposição plano de transferência ocorreu hoje na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Mato Grosso, em Cuiabá. Conforme o ministro, o plano será executado em paralelo ao processo de caducidade já em andamento.

Gomes disse que a espera pelo trâmite jurídico de invalidez do contrato em vigor é burocrático e pode levar anos para ser concluído. Porém, não impede vias alternativas.

“Falha sistêmica”

Segundo o ministro Tarcísio Gomes, houve “mistura de aritmética com ideologia” o que teria levado um “processo mal estruturado” de concessão do trecho, entre os anos de 2013 e 2014.

“É um problema sistêmico, falha generalizada na concessão de serviços que não a acontece só em Mato Grosso. Houve desfasamento entre serviço e demanda”, afirmou.

A Rota do Oeste faz parte do grupo Odebrecht, investigado por supostos crimes de corrupção na Lava-Jato.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCinco brincadeiras para estimular o desenvolvimento das crianças
Próximo artigoComo é ser uma Escola filiada à Rede PEA-UNESCO? O que muda no ensino?