Ministério da Agricultura interdita cervejaria em Minas Gerais

Suspeitas são de que a doença misteriosa que atingiu oito pessoas pode ter sido causada por contaminação

Fabricante da cerveja que possivelmente contaminou oito pessoas – uma delas morreu – em Minas Gerais, a cervejaria Backer foi interditada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O Mapa também apreendeu 16 mil litros de cerveja no local e determinou uma ação de fiscalização para recolher produtos da marca que ainda estejam no mercado.

Fabricada pela Backer, a cerveja Belorizontina teve, pelo menos, dois de seus lotes contaminados com a substância dietilenoglicol. Uma descoberta feita durante as investigações de uma doença misteriosa que infectou oito pessoas.

LEIA TAMBÉM

Enquanto isso, auditores fiscais agropecuários continuam investigando o que causou a  contaminação.

O presidente da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva), Carlo Lapolli, afirmou na sexta-feira (10) que a substância dietilenoglicol raramente é usada na produção de cervejas.

A própria Backer sustentou, em nota, que não usa o produto e, portanto, não sabe explicar como a substância apareceu em sua cerveja.

“A Cervejaria Backer continua à disposição das autoridades para auxiliar no que for necessário até a conclusão das investigações”, afirmou a empresa, em nota.

(Com informações da Agência Brasil)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCiência comprova: fazer faxina pode (realmente) dar dor de cabeça
Próximo artigoA temporada de premiações chegou e domingo é dia de Critics’ Choice Awards