“Minha mãe fazia de tudo”, diz filha de mulher morta atropelada por motorista de Uber

Ao ver a mãe morta, filho que a acompanhava agrediu o motorista: "não foi um agressor, foi um filho que perdeu a mãe para o resto da vida", diz irmã

Sueli Aparecida de Sousa, de 45 anos, morreu na madrugada deste domingo (2) ao ser atropelada na saída do show da dupla Matogrosso e Mathias, realizado na região do bairro Santa Rosa, em Cuiabá. Ao LIVRE, uma das filhas da vítima afirmou que o condutor do veículo era um motorista do aplicativo Uber.

A mulher, que tem quatro filhos e quatro netos, estava na companhia do namorado e do filho mais velho, de 27 anos, quando o acidente aconteceu, por volta das 2h. Moradores do bairro Novo Colorado, o trio decidiu retornar para casa a pé e foi surpreendido no meio do caminho.

O acidente aconteceu em uma rotatória na região do Santa Rosa. Segundo revelou uma das filhas de Sueli, o motorista estaria embriagado no momento do acidente. “O rapaz da Deletran [Delegacia Especializada em Delitos de Trânsito] que foi atender o caso falou assim, que ele estava bêbado, falou afirmando”, contou ao LIVRE.

De acordo com a filha da vítima, não bastasse o momento de terror vivido nesta madrugada, a família ainda enfrenta julgamentos. Isso porque, em razão do caso, revoltado, o filho de Sueli acabou agredindo o condutor do veículo.

[featured_paragraph]O fato da agressão passou a ser noticiado pela imprensa, o que tem causado tristeza e desconforto para a família de Sueli, que ainda aguarda a liberação do corpo da mulher. “É uma reação de qualquer filho, né. Não foi um agressor, foi um filho que perdeu a mãe para o resto da vida”, lamentou. [/featured_paragraph]

“Minha mãe fazia de tudo, moça. Ela até pegou um bico de fazer rejunte, para pagar as contas dela. Ela não dispensava serviço nenhum. Ela sustentava meu irmão mais velho e o mais novo, e duas netas”, comentou.

Segundo a filha da vítima, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser acionado para socorrer a mãe dela, mas Sueli morreu dentro da ambulância, ainda no local do acidente.

O LIVRE tentou contato com a Deletran para confirmar o estado de embriaguez do motorista, mas até a publicação os telefonemas não foram atendidos.