Mesmo sendo prioridade do Dnit, BR-163 será finalizada apenas em 2020

Coordenador do departamento responsabiliza burocracia nos contratos e atrasos no cronograma para o atraso das obras

Carretas são guinchadas por máquinas para atravessar trecho da BR 163, no Pará (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Com mais de 40 anos de utilização, a BR-163 só será totalmente pavimentada em 2020. Essa afirmação foi feita pelo representante do Departamento de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Fábio Pessoa da Silva Nunes, durante o evento “Diálogos Hidroviáveis”, realizado em Cuiabá. Se terminada, essa obra pode levar ao Brasil uma economia de R$ 1,4 bi por ano.

O evento foi realizado ontem (21), no auditório da Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt), onde foram apresentadas propostas para solucionar os gargalos da infraestrutura para a logística do estado.

O Coordenador Geral de Manutenção e Restauração Rodoviária do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Fábio Nunes, fez um panorama da atual situação das rodovias do Brasil e defendeu que os problemas burocráticos e o atraso no desenvolvimento dos trabalhos, foram os principais motivos para a não conclusão da pavimentação da BR-163. A rodovia liga Cuiabá a Santarém (PA), com 4.476 quilômetros de comprimento.

“Nesse período, o que mais nos atrapalhou foram os problemas com empresas que nós contratamos, por meio de processos licitatórios. Atrasos de cronograma, problemas de mobilização, além de sérios problemas burocráticos. Para rescindir os contratos, relicitar ou chamar a segunda colocada, é um processo oneroso”, explicou Nunes.

De acordo com o coordenador, as BR’s 163, 155 e a 364, são classificadas como prioridade máxima do órgão e, nem mesmo a mudança de governo irá impedir o desenvolvimento da obra. “Esses três corredores do arco norte fazem parte da malha rodoviária estratégica para o país. É parte da política do departamento, não de um governo específico”, garantiu o dirigente.

Fábio informou que ainda faltam 10% da rota para ser pavimentada, impedidas por duas serras entre as cidades de Novo Progresso e Moraes Almeida, ambas no estado do Pará. Adiantou que a primeira, encontra-se em processo de desmonte e, a segunda já está praticamente detonada. “O objetivo do Dnit é eliminar todos os pontos de retenção que foram registrados, ainda este ano”, assegurou o coordenador.

Embora tenha ocorrido longos atrasos e problemas contratuais na realização da pavimentação da BR-163, o coordenador da entidade se mostrou confiante ao considerar o “bom ritmo dos trabalhos”. Explicou que o serviço tem sido realizado por meio de contrato com a Construtora Agrienge e pelo convênio com o Exército brasileiro. “Não estamos tendo problemas com a empresa contratada e, não tem como ter problemas com o exército.

Quanto ao término das obras, Fábio garantiu que o trecho executado pela Agrienge deve ser terminado ainda este ano. Já a parte de responsabilidade do exército, deve demorar mais dois verões para ser finalizada. Pontou que o a meta estabelecida para esse ano, não será alcançada, se “tivermos um ano de muita chuva mesmo”.

“O Dnit deve pavimentar cerca de 50km ainda neste ano. Em 2019 vamos trabalhar para ver se conseguimos pavimentar os outros 40km. Só no verão de 2020 terminaremos a pavimentação de todo o percurso”, garantiu o coordenador.