Mesmo após acordo com o Governo, caminhoneiros seguem em greve

Apesar do suposto acordo entre caminhoneiros e governo, anunciado pelo ministro chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, nessa quinta-feira (24), a greve dos caminhoneiros irá continuar.

O presidente do Sindicato de Empresas de Transporte de Cargas do Estado de Mato Grosso (Sindmat), Eleus Vieira de Amorim, disse ao LIVRE que os caminhoneiros autônomos estão decididos a seguir com as mobilizações.

Assim que o acordo foi divulgado, a Polícia Rodoviária Federal informou por meio de nota que iniciaria, já na quinta-feira (24) a noite, o monitoramento da possível desmobilização nas rodovias federais. Frisando que a obstrução de vias, bloqueio, interrupção ou perturbação deliberada do fluxo nas rodovias mesmo que parcial, utilizando-se de veículo parado sobre a via, é infração gravíssima, passível de autuação e apreensão do veículo pela PRF, conforme o artigo 253-A do Código de Trânsito Brasileiro.

Porém, a assessoria da Rota do Oeste disse que nos trechos das rodovias de Mato Grosso administrados pela concessionária os bloqueios não foram retirados até a manhã desta sexta-feira (25). Somente nestes trechos, existem 11 pontos de bloqueios. Ao todo, segundo a Polícia Rodoviária Federal, as rodovias de Mato Grosso ainda possuem 25 pontos de concentração de protestos.

Os postos em todo Estado, desde a quinta-feira (24), já começavam a ficar sem combustíveis. A manifestação já está em seu quinto dia. Dezenas de pessoas fizeram estoques de combustível em postos da Capital.

Os caminhoneiros pedem que seja fixado um valor mínimo para frete nacional; o corte total do imposto PIS/CONFINS sobre o diesel e a gasolina; redução dos pedágios para caminhoneiros; fim da CIDE (que vem sendo parcialmente cumprido pelo governo); a renegociação das dívidas dos caminhoneiros; e estradas em bom estado.

Em uma nota, os manifestantes afirmaram que caso as reivindicações não sejam atendidas até a segunda-feira (28), irão paralisar ainda mais a partir da terça-feira (29), bloqueando totalmente todas as estradas federais e deixando apenas veículos de polícias, ambulâncias e bombeiros passarem e paralisando totalmente os portos e aeroportos.

Conforme a nota, caso chegue a esse ponto, eles prometem incluir novas reivindicações, como o pedido de renúncia do presidente Michel Temer e dos presidentes do Senado e da Câmara Federal e eleições antecipadas.

Os manifestantes seguem pedindo apoio da população, os convidando a “lutar pelo Brasil”. “Quem quebrou a economia do país foi o roubo de vocês, políticos. Acabou a brincadeira. O prazo está dado e o relógio correndo”, dizem em trecho da nota.

O sindicato Rural divulgou um vídeo afirmando que a partir dessa sexta-feira (25) também passaria a apoiar a greve. Veja:

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorShows nacionais, festival autoral e peças de teatro agitam fim de semana
Próximo artigoAcrinorte manifesta-se solidária a movimento de caminhoneiros

O LIVRE ADS