Mercosul e União Europeia fecham acordo de livre-comércio, confirma Troyjo

Tratado que engloba bens, serviços, investimentos, agronegócio e compras governamentais vinha sendo discutido há vinte anos

Divulgação/Fórum da Liberdade

O Mercosul e a União Europeia fecharam nesta sexta-feira (28), em Bruxelas, um acordo entre os dois blocos, depois de duas décadas de negociações. A informação foi confirmada ao LIVRE, pelo secretário Especial do Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo.

Trata-se do maior acordo entre blocos do comércio mundial, cobrindo 25% do PIB global e um mercado de 750 milhões de pessoas. “Jamais teríamos chegado a este resultado. Todos reconhecem, europeus e nossos vizinhos sul-americanos, que a liderança do Brasil nos últimos seis meses fez toda a diferença”.

Segundo Troyjo, o engajamento pessoal do presidente da República Jair Bolsonaro (PSL) em temas sensíveis e a orientação do ministro da Economia, Paulo Guedes, foram essenciais para quebrar o que o secretário chamou de ” paradigmas históricos”, inserindo o Brasil de forma competitiva, equilibrada e gradativa na economia global.

Números

Conforme Troyjo, o acordo entre o Mercosul e a União Europeia gerará, até 2035, o ganho acumulado de até R$ 500 bilhões no PIB, em relação a um cenário sem acordo. O aumento de investimentos no Brasil, no mesmo período, será da ordem de R$ 450 bilhões. Com relação ao comércio bilateral, as exportações brasileiras para a UE apresentarão quase R$ 400 bilhões de ganhos até 2035.

O tratado cobre desde temas tarifários quanto de natureza regulatória, como serviços, compras governamentais, facilitação de comércio, barreiras técnicas, medidas sanitárias e fitossanitárias e propriedade intelectual.

[featured_paragraph] Segundo o secretário, pela importância econômica e a abrangência de suas disciplinas, “é o acordo mais amplo e de maior complexidade já negociado pelo Mercosul. E ressalta o compromisso com a abertura econômica e o fortalecimento das condições de competitividade”.[/featured_paragraph]

Diálogo e o agronegócio

O Acordo de Associação entre o Mercosul e a União Europeia também inclui pilares de diálogo político e cooperação no que será uma das maiores áreas de livre comércio do mundo.

Com a vigência do acordo, produtos agrícolas de grande interesse do Brasil terão suas tarifas eliminadas, como suco de laranja, frutas e café solúvel. Os exportadores brasileiros obterão ampliação do acesso, por meio de quotas, para carnes, açúcar e etanol, entre outros.

As empresas brasileiras serão beneficiadas com a eliminação de tarifas na exportação de 100% dos produtos industriais. Serão, desta forma, equalizadas as condições de concorrência com outros parceiros que já possuem acordos de livre comércio com a UE.

O acordo reconhecerá como distintivos do Brasil vários produtos, como cachaças, queijos, vinhos e cafés.

[featured_paragraph] Conforme Troyjo, o tratado garantirá ainda acesso efetivo em diversos segmentos de serviços, como comunicação, construção, distribuição, turismo, transportes e serviços profissionais e financeiros. Em compras públicas, empresas brasileiras obterão acesso ao mercado de licitações da UE, estimado em US$ 1,6 trilhão. “Os compromissos assumidos também vão agilizar e reduzir os custos dos trâmites de importação, exportação e trânsito de bens”, garantiu. [/featured_paragraph]

O acordo propiciará um incremento de competitividade da economia brasileira ao garantir, para os produtores nacionais, acesso a insumos de elevado teor tecnológico e com preços mais baixos. A redução de barreiras e a maior segurança jurídica e transparência de regras irão facilitar a inserção do Brasil nas cadeias globais de valor, com geração de mais investimentos, emprego e renda. Os consumidores também serão grandemente beneficiados.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJustiça espanhola decide que Neymar deve ser julgado em Barcelona
Próximo artigoA irrelevância imposta pelo MEC