Menos carne na mesa: em MT preço subiu quase 10% em alguns cortes

Pesquisa de três universidades aponta que brasileiros estão consumindo 40% menos esse tipo de produto

(Ilustrativa/Pixabay)

Os brasileiros estão comendo menos carne. O consumo desse tipo de alimento caiu mais de 40% no país, segundo um levantamento de pesquisadores da Universidade Livre de Berlim, na Alemanha, em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e com a Universidade de Brasília (UnB).

Não é para menos. Dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA) apontam que o preço no varejo de praticamente todos os cortes de bovinos, suínos e de aves aumentou no último mês.

O maior reajuste foi no preço da coxa e sobrecoxa do frango: 9,2% entre fevereiro e março. O custo médio do quilo desse corte em Cuiabá está na casa dos R$ 14,50, conforme o instituto.

A costela suína ocupa a segunda posição, com um aumento nos preços de 7,4%. O quilo tem saído a cerca de R$ 23,60 na Capital.

O levantamento do Imea aponta que apenas quatro tipos de carnes tiveram reajustes para baixo em março. E esses percentuais não chegam nem perto daqueles que foram para cima.

A maior redução de preços foi no quilo do peito de frango: 0,86% o que significa um custo médio em Cuiabá de R$ 12,43 por quilo.

As outras reduções foram nos preços da moela de frango (0,27%), do lagarto bovino (0,33%) e da coxinha da asa de frango (0,01%).

Menos qualidade na alimentação

A pesquisa das três universidades apontou para uma piora na qualidade da alimentação dos brasileiros. Junto com a carne, as pessoas também estão consumindo menos frutas e queijos. Houve queda ainda no consumo de hortaliças e legumes (36,8%).

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

No caso dos queijos, os indicadores do Imea apontaram que, em geral, os preços caíram.

Isso ocorreu com o queijo minas frescal (1,27%), com o muçarela (4,54%) e com o provolone (1,32%). Somente o queijo prato e o coalho tiveram aumentos de 4,27% e 0,67%, respectivamente.

No caso das frutas, hortaliças e legumes, o Imea possui dados dos itens que compõem a cesta básica.

A banana teve queda de 4,69%. O preço da batata caiu 11,26%, mesmo percentual no caso do tomate.

Todos esses alimentos são considerados marcadores de uma alimentação saldável, segundo nutricionistas. Mas consumi-los em quantidade menor não foi o pior quadro que a pesquisa das três universidades apontou.

Quase 60% das famílias brasileiras passam por situação de insegurança alimentar. Isso quer dizer a incerteza sobre a possibilidade de comprar comida ou uma queda na quantidade ou qualidade dos alimentos adquiridos.

Em 15% dos lares brasileiros, conforme o levantamento, já falta comida na mesa.

A pesquisa, teve os resultados nesta terça-feira (13). Ela foi realizada entre novembro e dezembro de 2020, com duas mil pessoas de todas as regiões do país.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPlataforma online de vendas da Friboi para PMEs alcança 60 mil clientes em um ano de operação
Próximo artigoTJ dispensa tornozeleira para fiscal da Ager acusado de cobrar propina