Medidas de biossegurança: Cuiabá faz ranking dos setores que mais descumprem regras

Bares e similares ocupam a primeira posição, com quase 50% das atuações feitas pelos órgãos de controle

(Foto: Karolina Grabowska / Pexels)

A Prefeitura de Cuiabá ranqueou os estabelecimentos que mais descumprem as medidas de biosseguranças decretadas no município para conter a covid-19. Bares e similares ocupam a primeira posição, com quase 50% das atuações.

Em 2021, a Secretaria de Ordem Pública já autuou 179 estabelecimentos, o que resultou em R$ 897 mil em multas. Mas isso não significa que o valor vai para os cofres púbicos.

“Os proprietários dos estabelecimentos podem recorrer da autuação ou não pagar a multa. Neste último caso, o CPF/CNPJ vai para a dívida ativa”, explica a prefeitura.

Em segundo lugar no ranking, estão as distribuidoras de bebidas (24,49%), seguidas pelo ramo de conveniência (7,48). Depois, as lanchonetes, casas de chás, sucos e similares. O setor de restaurantes e similares (4,76) figuram no 5º lugar.

(Foto: Kaboompics/Pexels)

Academias e motéis, por outro lado, não somaram nenhuma autuação. O balanço leva em consideração o período de março de 2020 até 14 de junho de 2021.

Fiscalização mais dura

A Associação Brasileira dos Bares e Restaurantes de Mato Grosso (Abrasel-MT) quer uma fiscalização mais dura e que os estabelecimentos que não cumprem as medidas previstas em decretos estadual e municipais tenham o alvará suspenso.

O pedido de punição para casos específicos aparece no momento em que surge o receio por um terceiro pico de incidência da covid-19 em Mato Grosso. Os segmentos de bares e restaurantes estão dentre os mais afetados pelos decretos.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorArraiá solidário: alunos de duas escolas arrecadam 16 toneladas de alimentos
Próximo artigoCuiabá e Várzea Grande estão entre as cidades do Centro-Oeste que mais perdem água potável