Medidas contra a covid-19

Prefeituras do interior adotam e reforçam ações contra a disseminação viral

Em Barão de Melgaço, foi instituído o toque de recolher das 22h às 5h (Foto: Divulgação / Prefeitura)

Em Mato Grosso, algumas prefeituras estão reforçando as medidas para evitar a disseminação do coronavírus. Dentre as restrições implantadas está o toque de recolher na cidade.

É o caso de Barão de Melgaço (113 km de Cuiabá). A prefeita Margareth Gonçalves da Silva instituiu a restrição de circulação de pessoas a partir das 22h até as 5h. A determinação valerá pelos próximos 30 dias, podendo ainda sofrer prorrogação.

A divulgação foi feita no Diário Oficial dos Municípios desta segunda-feira (10).

Suspensão de eventos

Já em São José do Povo (262 km da Capital), não podem ser realizados eventos coletivos ou atividades de lazer em praças públicas ou campos de futebol.

Conforme o decreto do prefeito Ivanildo Vilela da Silva, também estão proibidas as atividades de vendedores ambulantes, durante 15 dias. Segundo a Prefeitura, as diretrizes foram definidas com base no monitoramento do Comitê de Combate a Covid-19.

Manutenção das recomendações

Em Glória do Oeste e Serra Nova Dourada, a 312 km e 1.125 km de Cuiabá, respectivamente, as medidas não sofreram alterações, mas foram reforçadas por meio dos decretos publicados.

Nesses municípios permanecem as regras de uso das máscaras faciais, disponibilização de álcool em gel nos estabelecimentos e cuidados para evitar as aglomerações.

Números da covid-19 em MT

De acordo com o painel da covid-19 da Secretaria de Estado de Saúde, Mato Grosso tem, até o início da tarde desta segunda-feira, 564.781 casos confirmados, com 14.101 óbitos e 543.213 recuperações.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPolícia prende homem que tentou matar namorada com machadinha por ciúmes
Próximo artigoPF quer mais tempo para investigar R$ 2 milhões de suposto caixa 2 para Taques