Médicos dizem que o novo coronavírus “vai demorar” e orientam mudanças na condução

Estudos apontam para maior tempo de sobrevivência do vírus no organismo e para o baixo índice de pessoas imunes após o contágio

(Foto: Reprodução/Los Angeles Times) Imagem de microscópio do novo coronavírus, que sem passando por mutações desde sua aparição, em novembro de 2019

Médicos em estudos do novo coronavírus apontam para a necessidade de mudança de perspectiva sobre o tempo do contágio. A previsão que eles fazem é que o vírus continuará a circular por um longo tempo e isso irá afetar o modelo de saúde pública, no caso brasileiro, o Sistema Único de Saúde (SUS). 

“Ainda não se sabe como o vírus irá progredir. Mas, não é um fenômeno de curta duração. É preciso considerar um reforço da vigilância aos 15 dias que os estudos têm apontado como prazo da sustentabilidade do vírus”, diz a presidente a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nísia Trindade Lima. 

Esse modelo é bem mais amplo do qual vem sendo utilizado pelo Ministério de Saúde e que os Estados e municípios tem aplicado na condução de contagem de pacientes. 

As pessoas com resultado positivo para a covid-19 passam por quarentena reduzida de até 21 dias para acompanhar a evolução da doença. Os casos mais graves recebem internação em enfermaria ou Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). 

Os com sintomas leves, que tem sido maioria dos registros feitos até o momento em Mato Grosso, ficam em observação domiciliar. 

Políticas de longo prazo 

A presidente da Fiocruz participou de um seminário em videoconferência realizado pela Câmara Federal sobre as medidas a serem adotadas no pós-isolamento da pandemia, na semana. 

A pesquisadora defende que as políticas de saúde sejam pensadas em termos de meses e até ano, para a montagem de um plano de testagem e o mapeamento do contágio. 

Segundo ela, as modificações nas medidas sanitárias para as perspectivas de médio e longo prazos são necessárias mesmo para se pensar em como as atividades laborais e o convívio social deverão ser feitos daqui para frente. 

“O isolamento social é hoje a medida mais eficaz para se evitar o contágio. Mas, também sabemos que é difícil manter as pessoas em casa. E isso faz mais necessário pensar em políticas de saúde como controlar a doença”, comenta. 

Tempo de sobrevivência 

O professor e membro do departamento de clínica médica da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Germano Augusto Alves Pacheco pontua o que os estudos sobre o novo vírus já identificaram e que justificam a mudança de perspectiva. 

O médico explica que o tempo de 15 dias que vem sendo utilizado como parâmetro sobre a incubação do vírus é o padrão para a sobrevivência de vírus no sistema respiratórios do organismo humano. O causador da covid-19 pode estar durando mais que isso. 

“Esse o tempo padrão de permanência de vírus em via aérea. E o exame de testagem coleta amostra do nariz. Se não for identificado após esse período, entende-se que pessoa está segura para circular”, diz. 

(Foto; Reprodução/Financial Times) O médico da UFMT, Germano Pacheco, diz que a hipótese de maior tempo de sobrevivência do vírus no organismo abre questionamentos sobre contágio após a cura ter sido considerada

Conforme o professor, o que os estudos sobre novo coronavírus têm apontado é que a pessoa contagiada pode permanecer até por 30 dias na via respiratória, dependendo da agressividade dele no organismo, dependendo da agressividade dele na infecção. 

“São estudos ainda em fase iniciais. Não é possível afirmar se pessoa foi contagiada novamente ou se resultado negativo para o vírus é falso. Mas, os dados indicam que o novo coronavírus não tem essa característica de recontaminação. As pessoas contaminadas criam anticorpos e ficam imunes”, explica. 

Imunidade pós-contágio 

O diretor do Hospital Sírio-Libanês em São Paulo, Paulo Chapchap, convidado do seminário promovido pela Câmara Federal, afirma que a taxa de imunidade de pessoas que adquiriram ao vírus é baixa em comparação ao número global da população. 

Nos países em o contágio está em fase avançada, as taxas de imunes têm variado entre 10% e 20%. Outra perspectiva que é vista como o direcionamento para as mudanças nas políticas de governos. 

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre) Diretor do Sírio-Libanês, Paulo Chapchap, diz que as pessoas terão que aprender uma nova maneira de convivência por causa do vírus até uma vacina seja produzida para prevenir da covid-19

“Nós não vamos sair dessa pandemia tendo um alto grau de imunidade da população, a chamada imunidade de rebanho. Os países que já alcançaram o platô [do contágio] e estão no decréscimo, o índice não tem sido maior do que 10, 20%”, comenta. 

Ela diz que uma “nova forma de convivência” terá que ser apreendida pela população para conviver com o contágio do vírus daqui para frente. E as políticas de saúde devem trabalhar para a testagem de pessoas em monitoramento. 

“O número de casos novos tem baixa assertividade porque se testa muito pouco. Então, nós vamos ter que acompanhar a inclinagem das curvas de internados e mortos e disponibilidade de assistência, de leitos e equipamentos”, complementa. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPara chefe do MPMT, quem defende que o SUS não funcione alimenta “máfia de branco”
Próximo artigoMulher de 50 anos é estuprada por vizinho que conhece desde criança e viu crescer

O LIVRE ADS