Médicos de VG reivindicam pagamento de plantões e verbas indenizatórias

Segundo sindicato, não existem critérios claros para o pagamento e alguns profissionais estão há 6 meses sem receber os abonos

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Médicos que atuam em Várzea Grande querem explicações da Prefeitura sobre o pagamento de plantões, verbas indenizatórias, horas extras e “auxílio covid-19”.

Conforme o diretor de Comunicação do Sindicato dos Médicos do Estado de Mato Grosso (Sindimed), Adeildo Lucena, os pagamentos não estão sendo com a regularidade acordada.

Ele conta que não existe um critério claro para os repasses e alguns profissionais estão há cerca de 6 meses sem receber a bonificação, enquanto outros têm menos tempo de atraso.

A mesma falta de “parâmetro” acontece no caso do “auxílio covid”, que não foi pago para quem atua no setor exclusivo das unidades de saúde para a doença, porém chegou para quem está em outras áreas.

Segundo Lucena, a situação tem feito alguns médicos se desligarem do serviço no pronto-socorro. Um problema financeiro que se soma a condições de trabalho arriscadas,  sobrecarga e falta de estrutura.

“Temos relatos de que não existe banheiro para os profissionais no setor de covid e que, depois que eles entram no local, não podem mais sair. Caso façam isso, levam contaminação para o resto do pronto-socorro”, ele exemplifica.

Outro ponto que afeta quem trabalha no pronto-socorro de Várzea Grande é a lotação. Já faltam leitos e a demanda é crescente.

Nessa terça-feira (9), em uma assembleia online, os profissionais definiram que, além de solicitar esclarecimentos por parte da Prefeitura, vão se manter em em estado de assembleia permanente e encaminhar para o Ministério Público Estadual denúncias sobre a faltas de equipamentos e déficit de leitos para internação de pacientes com a covid-19.

LEIA TAMBÉM

“O médico está honrando seu compromisso com a instituição e com os pacientes. O mínimo que se espera seria a decência da Prefeitura em honrar o combinado com a categoria”.

O que diz a Prefeitura?

A Prefeitura de Várzea Grande garantiu, por meio da assessoria de imprensa, que todos os direitos dos médicos estão sendo pagos e auditados. Ainda assegurou que, caso haja erro comprovado, a gestão está pronta para reparar.

Conforme o município, as reclamações que tiveram conhecimento dizem respeito ao pagamento em duplicidade, ou seja, quando um médico pede para outro fazer a substituição e ambos querem receber pelo serviço.

Outra demanda já apresentada é a incorporação da premiações ao salário base, o que a Prefeitura vê com uma falta de responsabilidade, tendo em vista que são ganhos distintos.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorUm amor para chamar de meu, um apê para chamar de nosso
Próximo artigoMotoristas do transporte coletivo de Cuiabá farão testes para covid-19