Médico acusado de espancar namorada e ameaçar retalhar a filha é solto

Dentre as medidas cautelares aplicadas para a soltura do médico está a consulta com psicólogos e psiquiatras

Foto: Reprodução

Acusado de agressão por ex-namoradas, e preso desde o dia 25 de março, depois que teria ameaçado “retalhar” a filha da atual companheira, o médico Emilson Miranda Júnior, de 30 anos, conseguiu liberdade na Justiça de Mato Grosso. Em contrapartida, ele deverá ser submetido a um tratamento psicológico.

A decisão é da juíza Tatiane Colombo, da 2ª Vara Especializada em Violência Doméstica e Familiar de Cuiabá (MT).

De acordo com o site Ponto na Curva, que divulgou a decisão que segue em segredo de Justiça, a soltura do acusado se deu porque a juíza considerou “medida extrema” a manutenção da prisão cautelar do médico antes do trânsito em julgado do caso.

Também para fundamentar a decisão, a magistrada teria observado que a namorada, que foi agredida por Emilson, teria mantido contato com ele, indo ao Centro de Custódia de Cuiabá (CCC) onde ele se encontrava preso. A vítima também teria pedido revogação das medidas protetivas que havia solicitado.

Como medida cautelar para colocá-lo em liberdade, a juíza determinou que Emilson seja submetido a tratamento com psicólogo e psiquiatra, não se aproxime da filha da namorada e nem do pai dela, não deixe a cidade sem autorização judicial e comunique a Justiça sobre eventual mudança de endereço.

Agressivo

Edmilson foi preso no dia 25 de março, depois de ser acusado de espancar a namorada, de 39 anos. O caso aconteceu em um bairro nobre da capital mato-grossense, no dia 15 de fevereiro, durante uma discussão do casal.

Segundo a namorada contou à polícia, ela estava na casa de Emilson quando ele passou a xingá-la e, em seguida, agredi-la. Ela conseguiu ir para a cozinha e foi socorrida pela sogra, que abriu a porta para que ela fugisse da casa.

Com ajuda da sogra, a mulher pediu socorro ao vizinho da frente, e ligou para o ex-marido, que é juiz da Vara de Violência Doméstica em Cuiabá. Ele a orientou a chamar a polícia e pedir medida protetiva.

Ao registrar o caso na polícia, a mulher ainda afirmou que Emilson ameaçou cortar sua filha, que é fruto de outra relação, “em mil pedaços”. Ela também teria sido proibida de contar sobre a agressão ao ex-marido. Se o fizesse, Emilson iria matar o magistrado.

Além desse caso, também pesa contra o médico outras denúncias feitas por namoradas. Em 2016 ele teria perseguido a ex-namorada, no intuito de reatar o relacionamento, e chegou a ir em seu ambiente de trabalho, ameaçando pedir sua demissão.

No ano seguinte, outra namorada registrou boletim de ocorrência alegando que ele apresentava comportamento possessivo. Segundo a mulher, que tinha 35 anos, ele chegou a agredi-la com tapa no rosto e soco na nuca, além de tê-la xingado. A mulher pediu medidas protetivas contra ele, e acabou registrando outros dois BOs por descumprimento da ordem judicial.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMauro dá ordem de serviço e comunica retomada de 114 obras em MT
Próximo artigoPrefeitura e FS assinam termo para instalação de usina de etanol no município