Medeiros pede que o CNMP puna procurador-geral de MT por uso político do cargo

Parlamentar diz que José Antônio Borges faz ataques a Bolsonaro e ao procurador-geral Augusto Aras por ações na pandemia

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O deputado federal José Medeiros pediu que o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) puna o procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, José Antônio Borges, por suposto uso político do cargo. 

José Medeiros reclama que o procurador-geral faz declaração política ao dizer que o presidente Jair Bolsonaro (PL) seria “desumano e inconsequente” por decisões tomadas durante a pandemia e o responsabiliza pelas 627 mil mortes pelo contágio do novo coronavírus. 

“Ainda que se alegue que o procurador-geral estava no exercício de sua liberdade de expressão, não se pode fechar os olhos para os ataques pessoais ao presidente da República e ao procurador-geral da República [Augusto Aras]”, diz o parlamentar. 

Os comentários do procurador-geral sobre Bolsonaro são feitos em entrevistas à imprensa e referem-se a assuntos decorrentes da pandemia, como medidas restritivas de biossegurança, vacinação, etc. 

As críticas ao procurador-geral Augusto Aras são pela interpretação de que a Procuradoria Geral da República (PGR) deveria abrir processos para investigar as ações de Bolsonaro, mas não o fez.

No pedido de correção disciplinar, José Medeiros, vice-líder do governo na Câmara Federal, diz que o CNMP deve determinar que o procurador-geral pare de fazer declarações contra o presidente e também receba punições que se manifestar sobre assuntos que estariam fora da esfera estadual do Ministério Público. 

O Conselho deve julgar a ação no próximo mês. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOportunidade de trabalho
Próximo artigoQuanto custa o teste do covid? Farmácias e laboratórios são fiscalizados por suspeita de cobranças abusivas