Medeiros é denunciado ao STF por falar sobre insegurança da urna eletrônica

Procurador-geral de Justiça de Mato Grosso diz que parlamentar usou documentos sigilosos para induzir sobre supostas falhas nas urnas

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O deputado federal José Medeiros (Podemos) foi denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF) por suposta divulgação de “notícias falsas (fake news) sobre as urnas eletrônicas”.

O procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, José Antônio Borges, assinante da ação, diz que o parlamentar “falseou” documentos de uma eleição interna no Hospital Militar para alegar insegurança no sistema das urnas. 

O Ministério Público de Mato Grosso (MPE) diz que Medeiros associou uma denúncia sobre a escolha de novos diretores de uma entidade privada à eleição para cargos públicos, a fim de impulsionar a instalação do voto impresso, que estava em debate na Câmara Federal. 

“De má-fé, o parlamentar falseia a realidade dos fatos, em mais um gesto da sua cruzada pelo retorno do voto impresso, sistema utilizado no passado com ocorrências frequentes de fraudes e manipulação de resultados, o que atentava contra a vontade soberana do eleitor brasileiro de escolher livremente seus representantes”, disse o procurador-geral. 

A denúncia do Ministério Público foi protocolada no dia 19 e foi sorteada para análise da ministra Carmén Lúcia. 

O caso 

A eleição ocorreu em 2019 para escolha da nova direção do Hospital Militar, em Cuiabá. Antes do procedimento, o Ministério Público fez duas denúncias contra o então presidente da entidade, Ricardo de Almeida Gil, que apoiava a chapa única que concorria aos cargos. 

Denúncias apontavam que teriam sido produzidos boletins falsos das urnas utilizadas na eleição interna para adulterar o resultado, porém não haveria suspeita sobre a segurança das urnas eletrônicas. A investigação é conduzida sob sigilo.  

Conforme o procurador-geral José Antônio Borges, José Medeiros publicou documentos sigilosos em redes sociais em contexto de discussão sobre o voto impresso, para induzir a supostas falhas no sistema de votação nacional.  

O que diz José Medeiros? 

Em nota, o parlamentar afirma que vai acionar o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) para investigar o possível uso político do Ministério Público de Mato Grosso, por causa de uma “visível perseguição política” e “uso” do órgão para barrar o debate democrático.  

“Infelizmente, essa narrativa do procurador-geral de taxar a verdade dos fatos de fake news não é diferente dos ataques que estão fazendo contra o presidente Jair Bolsonaro e seus aliados em todo o país”, afirmou. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPaccola fica no Cidadania
Próximo artigoLula ameaça “censurar” internet caso seja eleito