MDB cobra cargo e deputado discute em público com governador

Carlos Bezerra pressionou publicamente Mauro Mendes a emplacar aliado. Do contrário, MDB poderá romper politicamente com o Palácio Paiaguás

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O governador de Mato Grosso Mauro Mendes (DEM) e o presidente do diretório estadual do MDB, deputado federal Carlos Bezerra, protagonizaram uma discussão a respeito de cargos públicos de natureza política.

A discussão em tom ríspida foi protagonizada por ambos na solenidade realizada pelo governo do Estado na manhã desta quarta-feira (16) nas proximidades da Arena Pantanal, em Cuiabá, para a entrega de máquinas aos municípios do interior.

O diálogo dizia a respeito de cargos de indicação do MDB na estrutura do governo do Estado. Bezerra expôs a insatisfação do partido e ameaçou romper politicamente.

“O senhor deu a palavra. Do jeito que está estão querendo romper”, disse.

A conversa ocorreu ao pé do ouvido no palanque do evento.

Consternado, o governador rebateu e pediu moderação a Bezerra.

“Se você veio romper conosco por causa de um cargo no Governo… Aí para, né, Bezerra? Você já foi governador, pô. […] Já foi governador. Por causa de um cargo? Por causa de um carguinho lá em Confresa? Aí, não”, disse.

Cargo estratégico

Nos bastidores, foi dito que o motivo da desavença é o interesse direto de Bezerra em emplacar um aliado para um cargo estratégico na Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) em Confresa (1.165 km de Cuiabá)

Porém, por conta de motivos políticos, o governador negou a nomeação em um primeiro momento.

Questionado ao final do evento se estaria na iminência de romper com o MDB por conta de atritos políticos, o governador Mauro Mendes minimizou.

“Não é briga, não. Isso é normal, faz parte. Ele nunca deixou de ser atendido. Não vamos ficar com rame-rame”, enfatizou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno diz que 71 mil doses “são poucas” e critica “burocracia” da Anvisa
Próximo artigoBolsonaro diz que vai lançar um novo “Bolsa Família” em dezembro