Mauro Savi pode ser o segundo deputado a ter prisão revogada pela Assembleia de MT

Mauro Savi
(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O deputado estadual Mauro Savi (DEM) pode ser o segundo a ter a prisão revogada pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso, quase cinco meses depois do colega Gilmar Fabris (DEM). O procurador-geral da Assembleia, Grhegory Maia, deu respaldo à medida, em um memorando em que afirma que a votação é legal.

Ao decretar a prisão preventiva de Savi, na Operação Bônus (segunda fase da Bereré), o desembargador José Zuquim Nogueira disse que “cabe à Assembleia Legislativa observar a vedação de expedir resolução ou quaisquer atos que importem em revogação da prisão preventiva decretada contra o deputado Mauro Luiz Savi”.

Para embasar a proibição, o magistrado citou o julgamento que está em andamento no Supremo Tribunal Federal (STF) que discute se os deputados estaduais têm os mesmos direitos que os federais e senadores, que só podem ser presos em flagrante por crime inafiançável e com aprovação do Legislativo. Savi foi alvo de um mandado de prisão preventiva, enquanto Gilmar Fabris foi preso em flagrante.

O placar do julgamento está em 5 a 4, faltando ainda o voto de dois ministros. Segundo o procurador, como o julgamento ainda não foi concluído, ainda não é possível saber o placar final e o resultado pode acabar sendo favorável à Assembleia Legislativa. “Para que haja o trânsito em julgado é necessário que o julgamento tenha sido encerrado, exigindo-se que as conclusões deste julgamento não possam mais ser modificadas”, observou.

Desse modo, o procurador não viu nenhum impedimento legal para a Assembleia realizar uma sessão para votar sobre a continuidade da prisão de Mauro Savi.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorComércio varejista cresce 0,3% de fevereiro para março
Próximo artigoPDT se cansa de esperar Mauro Mendes e lança Pivetta ao governo