Mauro Mendes veta quatro projetos da ALMT relacionados à covid-19

Governador se opôs a leitos para profissionais da saúde, obrigação de testes em professores e distrbuição de alimentos

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O governador Mauro Mendes (DEM) vetou integralmente quatro projetos de lei aprovados pela Assembleia Legislativa relacionados à pandemia do novo coronavírus.

Todos os vetos foram publicados no Diário Oficial do Estado que circulou na sexta-feira (16) e remontam ao mesmo argumento: o Legislativo aprovou leis totalmente inconstitucionais, invadindo a competência do Executivo ao criar despesas financeiras, ou violou a ordem material, quando não compete aos parlamentares legislar a respeito de determinado tema.

Leitos só para profissionais de saúde

O primeiro veto foi dado ao projeto de lei de autoria do deputado estadual Sebastião Rezende (PSC), que impunha aos estabelecimentos públicos e privados de saúde a obrigação de oferecer leitos para o tratamento de profissionais de saúde contaminados pelo coronavírus.

Mendes se amparou em parecer da Procuradoria Geral do Estado (PGE) que identificou total inconstitucionalidade, pois a lei fere o direito de acesso universal, integral e igualitário à saúde.

Testes antes das aulas

O segundo projeto de lei relacionado ao coronavírus aprovado pela Assembleia Legislativa e vetado integralmente pelo Executivo é de autoria do deputado estadual Wilson Santos (PSDB).

O texto da lei obrigava o Estado a realizar testes diagnósticos de coronavírus em professores e funcionários das instituições de ensino da rede pública e privada antes da retomada das atividades escolares em Mato Grosso.

Mendes acompanhou parecer da PGE, de que o Legislativo invadiu a competência do Executivo ao criar obrigações financeiras, violando assim o princípio da separação dos Poderes.

Cestas para todo mundo

O terceiro veto integral foi referente a um projeto de lei de autoria do deputado estadual Silvio Fávero (PSL), que instituia o programa emergencial de distribuição de alimentos às famílias cujas rendas foram afetadas pela situação do isolamento social em decorrência da pandemia.

O motivo do veto foi a inconstitucionalidade, pela criação de despesas e pelo projeto fixar regras genéricas a respeito de fundos especiais administrados pelo Executivo.

Lei para o que já está sendo feito

O quarto projeto vetado foi de autoria do deputado Dr. Gimenez (PV) e obrigava as escolas públicas e privadas a adotar medidas de prevenção à disseminação do coronavírus em suas unidades.

Mendes identificou inconstitucionalidade por invasão de competência e ausência de necessidade, pois o Executivo já está discutindo o Plano Pedagógico Estratégico de Volta às Aulas e pela existência de normas já fixadas pelo Ministério da Saúde, que estabelece orientações gerais de prevenção, controle e mitigação da transmissão da covid-19.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLadrão furta sacrário de igreja católica em MT
Próximo artigoMauro Mendes em excesso