Por causa do Sistema eSocial, Mauro Mendes diz que pode pagar servidores no dia 2

Candidato ressalta que pagar salário dia 2 já estaria de bom tamanho

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O candidato ao Governo do Estado pelo DEM, Mauro Mendes, admitiu nesta quarta-feira (26) que, se eleito, não poderá pagar o salário dos servidores dentro do mês. O democrata, contudo, assegurou, em tom de crítica ao atual governador e candidato à reeleição Pedro Taques (PSDB), que o objetivo é realizar o pagamento antes do dia 10 do mês seguinte ao trabalhado.

Mendes foi perguntado pelo LIVRE, durante entrevista na Rádio Jovem Pan FM, sobre como cumpriria a promessa de tentar pagar o salário dentro do mês trabalhado já que, a partir de janeiro de 2019, o Sistema eSocial passa a valer para os órgãos públicos, impedindo o fechamento da folha antes do último dia do mês.

Mendes disse que o problema dos trabalhadores do setor estadual é com o dia 10. “Tudo bem, pode pagar dia 2. Qual o problema? Para o servidor o problema é o dia 10. Porque dia 5 vence a maior parte das contas. Se pagar dia 2 vai estar de bom tamanho. Ninguém vai brigar não, tenho certeza disso”, disse o candidato.

O democrata ainda fez uma comparação com o setor privado, onde os trabalhadores recebem até o 5º dia útil. “Se [o Estado] pagasse também até o 5º dia útil, tenho certeza de que já minimizaria muitos problemas dos servidores. O objetivo é pagar o quanto antes – e isso eu tenho certeza que, com o tempo e o trabalho de melhorar a arrecadação e diminuir as despesas, vamos ter dinheiro para fazer esse pagamento em uma data bem anterior ao dia 10”.

O candidato ainda alfinetou o atual governador, que mudou a data do pagamento dos servidores. A alteração, para Mendes, é porque o Estado não consegue arrecadar recursos e que isso seria uma grande dificuldade caso seja governador.

“Não é que não está pagando dia 30 porque alguém é bonzinho ou malzinho, é porque chega dia 30 e não tem dinheiro na conta para pagar. É preciso esperar a arrecadação dos primeiros 10 dias do mês para que se faça efetivamente esse pagamento”, afirmou.

Mauro ainda destacou que, para aumentar o caixa irá, se eleito, enxugar as despesas, com a redução do número de secretarias estaduais, mas que não aumentaria nem criaria novos impostos. “Melhoria sem criar alíquotas, porque isso é muito ruim e isso ninguém aguenta mais nesse país”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

  1. odeio o e-social com todas as minhas forças.
    é uma parafernália absurda só atrapalhando o nosso
    trabalho, imagina o brasil inteiro pendurado no sistema pra gerar a folha. absurdo só aqui no Brasil.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFesta do Comando Vermelho, com agenciamento de prostitutas, é interrompida pela PM
Próximo artigoCiro Gomes deve receber alta médica hoje, diz boletim