Mauro Mendes aparou aresta com Bolsonaro e abriu caminho para 2022

Conversa com Bolsonaro teria servido para apaziguar "política de veneno" criada por intermediários da base

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O governador Mauro Mendes (DEM) aparou arestas com o presidente Jair Bolsonaro no encontro em Brasília na terça-feira (28) e tentou deixar caminho aberto para uma eventual campanha à reeleição em 2022. 

Fonte ouvida pelo LIVRE afirmou que a conversa mais demorada entre os dois, fora da pauta oficial, foi sobre as manifestações de Mendes em cartas, juntamente com outros governadores, à política do Planalto sobre alguns assuntos. 

A posição do governador teria sido distorcida intencionalmente por intermediários a Bolsonaro, como estratégia de “política do veneno”. 

“É muito veneno na política. A conversa foi para tirar um pouco desse veneno, corrigir as coisas. Os atritos criados foram pacificados e o grupo de pessoas que estavam na reunião se colocou à disposição para apoiar Bolsonaro no ano que vem”, disse a fonte. 

Cartas assinadas 

Mendes assinou duas cartas divulgadas em março e abril deste ano. Na primeira, um grupo de 16 governadores pedia providência ao Supremo Tribunal Federal (STF) a suposta incitação a motins e a divulgação fake news por adversários políticos. 

Os intermediadores citados pela fonte aparecem nessa carta como “autoridades federais, inclusive no Congresso Nacional”. 

Já na segunda, 21 governadores, a maioria dos Estados integrantes da Amazônia Legal, tentaram abrir uma negociação direta com o presidente dos EUA, Joe Biden, sobre a política ambiental. A carta foi enviada às vésperas da Cúpula de Paris, onde havia resistência a Bolsonaro. 

Apoio em 2022 

Políticos da base do presidente disseram, depois desses episódios, que as tais cartas estariam sendo consideradas como uma manifestação velada, no caso, de Mauro Mendes a Bolsonaro. 

Esse seria o “atrito pacificado” entre eles na reunião de ontem. A fonte afirmou ainda que o caminho ficou aberto para eventual aliança com apoio mútuo nas eleições gerais de 2022, mas nada foi acertado. 

Bolsonaro ainda estaria em aberto sobre apoio para o Senado. Há dois nomes de Mato Grosso próximos a ele: os deputados federais José Medeiros (PODE) e Neri Geller (PP) – a candidatura deste último passou a ser cogitada. 

O senador Wellington Fagundes (PR) também está em busca de lideranças de Mato Grosso para entrar na lista de “candidatos de Bolsonaro”, para um novo mandato.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorQuer torcer por Haline Scatrut? Veja os horários em que ela estará jogando em Tóquio
Próximo artigoFavorecimento em Matupá