Mauro Carvalho: “aumento para professores cancela a RGA de todos os servidores”

Professores da rede pública estadual deflagraram greve nessa segunda-feira

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O secretário-chefe da Casa Civil Mauro Carvalho assegurou que o governo de Mato Grosso, em razão da crise financeira, não tem nada a oferecer como contraproposta para os professores da rede pública estadual, que deflagraram greve nessa segunda-feira (27). Segundo ele, se o Executivo conceder o aumento pleiteado pelos servidores da Educação, terá que cancelar a Reposição Geral Anual (RGA) de todo o restante do funcionalismo público nesta gestão ou triplicar a conta de luz dos cidadãos mato-grossenses.

“O governo não tem como colocar mais R$ 200 milhões por ano nessa conta, que é o aumento de salário que eles estão solicitando, referente à “lei da dobra” [do poder de compra]. O estado pode pagar a RGA e a lei da dobra, desde que atinja os indicadores estabelecidos na LRF [Lei de Responsabilidade Fiscal], que estamos trabalhando para conseguir. Se o governo desse esse aumento hoje, estaria sacrificando todas as categorias e deixando cada vez mais distante o nosso equilíbrio fiscal e financeiro”, pontuou o secretário-chefe, em visita ao LIVRE nessa terça-feira (28).

Na oportunidade, ele disse ainda que a atual gestão respeita as decisões tomadas nos governos anteriores e as conquistas do Sindicado dos trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep), mas ressaltou que 95% do orçamento da educação é destinado para folha de pagamento. Além disso, destacou que os professores de Mato Grosso têm o terceiro maior salário do país.

“Sobram apenas 6% para pagar merenda, transporte, água, luz, manutenção das escolas, papel, etc. Por isso estamos com mais de 400 escolas sucateadas, não tem recurso. O governo está procurando alternativas junto com a Assembleia Legislativa, para que a gente coloque essas escolas numa condição digna, porque há situações que são desumanas. Agora, isso leva um tempo, não se consegue resolver em cinco meses”, declarou.

De acordo com o Carvalho, nessa quarta-feira (29) o governador Mauro Mendes (DEM) irá se reunir novamente com o presidente do Sintep, na tentativa de garantir a retomada das aulas.

Quanto ao corte de ponto dos servidores grevistas desde segunda-feira, o secretário-chefe disse que não se trata de uma vontade do Executivo, mas de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). “Tem algumas coisas que o governo tem que cumprir”.

Reivindicações

Dentre as reivindicações dos sindicalistas estão a recomposição salarial de 7,69%, mais a inflação de 3,43% referente a 2018, e uma nova convocação dos aprovados no último concurso público, realizado em 2017.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHá 20 anos na calçada, comerciantes são notificados a deixar seus pontos
Próximo artigoPrimo de Alan Malouf contesta trecho de delação e nega ameaça de Brustolin

O LIVRE ADS