Mato Grosso zera registro de roubo a bancos e reduz furto pela metade

Especialização das forças de segurança, parceria de dirigentes bancários e denúncias da sociedade são apontados como motivos da redução destes crimes

Agência do Banco do Brasil no Centro Político Administrativo (Foto: Secom/MT)

A incidência de crimes praticados contra instituições financeiras tem reduzido de um modo geral em Mato Grosso. Entre janeiro e setembro de 2020, não houve registros de tentativa nem de roubo consumado a bancos.

No mesmo período do ano passado, houve três ocorrências de cada. Já os casos de furto consumado reduziram pela metade, já que foram 13 casos este ano e 26 em 2019. As tentativas de furto diminuíram 55%, sendo que ocorreram 17 casos em 2020 e 38 no ano anterior.

Entre os seis registros de roubos e tentativas de 2019, a modalidade “sapatinho” foi responsável por dois deles, cujas investigações já foram concluídas, com identificação de autoria, e agora está em fase de localização dos envolvidos. A prática consiste em sequestrar ou manter reféns familiares do gerente enquanto a pessoa é levada para liberar o acesso ao cofre. Os dados são da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), por meio da Superintendência do Observatório de Segurança.

Prisões de líderes

Segundo o titular da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), da Polícia Judiciária Civil (PJC-MT), Flávio Stringueta, as ações policiais e prisões de líderes de organizações criminosas contribuíram para a redução dos dados.

“Tivemos muitos ataques a caixas eletrônicos frustrados, investigações que culminaram em prisões, e o prejuízo causado acaba desestimulando as organizações. Também houve uma migração de criminosos especializados em bancos para outros crimes, como fraudes bancárias, e furtos e roubos a defensivos agrícolas”.

A redução é percebida também no comparativo entre janeiro e setembro de 2019 e 2018. Foram sete ocorrências de roubo no ano retrasado contra as três do ano anterior. Já o furto consumado foi responsável por 54 registros em 2018 e 26 em 2019.

O trabalho investigativo, juntamente com as medidas de segurança adotadas pelos bancos, é destacado pela delegada adjunta da GCCO, Juliana Chiquito Palhares. “Tivemos êxito na desarticulação de diversas organizações criminosas desde 2018, e também participamos constantemente de capacitações fornecidas pelas instituições bancárias aos funcionários, no sentido de orientá-los e reforçar procedimentos internos que podem evitar situações de risco”.

Tanto as instituições financeiras quanto a sociedade podem contribuir com o trabalho policial, como ressalta a delegada. “No momento em que há a tentativa de crime e o sistema antifurto funciona, um alarme é acionado e uma fumaça liberada, que dificulta a visão e, consequentemente, a ação criminosa. Além disso, contamos com a participação da sociedade, com denúncias importantes”.

Livres do novo cangaço?

Grupos fortemente armados, vias de acesso fechadas e explosões em agências bancárias. A modalidade de roubo, que ficou conhecida como novo cangaço, não ocorre em Mato Grosso desde 2013. Naquela época, as ações ocorriam no interior, em municípios menores como Vila Rica, Paranatinga e São José do Rio Claro, escolhidos por oferecerem mais rotas de fuga e terem menor aparato policial.

O termo é uma referência aos grupos de pessoas que invadiam municípios do sertão nordestino para assaltar bancos e carros-fortes, no final dos anos 90. As ações eram semelhantes ao modus operandi dos cangaceiros que aterrorizaram o Nordeste no início do século 20, como o bando de Virgulino Ferreira da Silva, o famoso Lampião.

Integração das forças de segurança

O trabalho de inteligência é fundamental nestes casos, pois resulta na antecipação da ação criminosa. O comandante do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), tenente coronal PM Ronaldo Roque da Silva, ressalta ainda a integração das forças de segurança, já que o compartilhamento de informações sobre as organizações criminosas permite não só planejar as ações, como também reflete nos resultados obtidos.

“Os anos de 2011 e 2012 foram intensos no combate a esses grupos criminosos, e as forças policiais interviam muito mais na reação, porque era algo novo, e eles tinham forte aparato de armas. Tanto o Bope quanto as demais unidades especializadas eram acionadas, e com a atuação pudemos entender a dinâmica e começamos a fazer um planejamento para quebrar essa estratégia deles”, conta.

Com isso, foi possível antecipar a ação criminosa, ganhando tempo para as outras unidades e forças policiais conseguirem chegar e somar forças. “A Polícia Militar (PM-MT) criou um POP (Procedimento Operacional Padrão) para esse tipo de ocorrência, e, de forma integrada com as forças de segurança locais e equipes especializadas, cada um fazia o seu papel, de acordo com a estratégia local. Esses grupos tiveram muitas baixas, tanto de pessoal quanto financeira”, ressalta o tenente coronal PM Roque.

Expertise em área de mata

Outro aspecto apontado por ele é que o Bope desenvolveu uma expertise em área de mata, que reduziu o perímetro de busca aos criminosos. A experiência chamou atenção de outras unidades da federação, que buscaram capacitação em Mato Grosso e passaram a aplicar em seus estados.

“Inicialmente, o Curso de Patrulhamento em Ambiente Rural foi realizado de forma interna, como requisito para o operador do Bope, mas ganhou notoriedade nacional. Foram capacitados profissionais de todas as regiões do Brasil, e membros de outras instituições também”. (Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPrecisando de um incentivo para “ser fitness”? Temos 4 dicas
Próximo artigoTrabalho intermitente cresce no país; saiba como funciona