Mato Grosso tem indicação de R$ 625 milhões em emendas do relator

Estado está 13ª posição na lista dos que receberam maior sugestão de dinheiro, mas pedidos já estouraram o caixa

(Foto: Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados)

Mato Grosso já tem R$ 625 milhões em indicações em emenda do relator no orçamento da União, mas boa parte do valor pode ser vetado pelo Congresso, por falta de caixa. 

Conforme levantamento divulgado Câmara Federal, a Comissão Mista de Orçamento recebeu até sexta-feira (29) 22.918 indicações que somam R$ 20,9 bilhões para execução de emendas de relator-geral do Orçamento. O valor disponível para cobrir essa demanda é de R$ 16,5 bilhões. 

Mato Grosso 13º estado com maior número de indicações (345) e soma de dinheiro que poderá ser destinado. O ranking, que incluiu o Distrito Federal, liderado pela Bahia e pelo Maranhã, ambos com R$ 2,1 bilhões.  

No geral, a maioria dos pedidos é para ações na Saúde, que recebeu um total de R$ 9,1 bilhões, R$ 860 milhões a mais do que a dotação atual. No entanto, a conta está mais apertada para programas de Desenvolvimento Regional, que receberam R$ 6,7 bilhões em indicações, mas têm apenas R$ 4,3 bilhões disponíveis. Uma diferença de R$ 2,4 bilhões. 

Já a Agricultura recebeu R$ 2 bilhões em indicações, mais do que o dobro dos R$ 940 milhões disponíveis em emendas de relator. Apenas as emendas para Educação apresentam uma folga, já que receberam menos indicações do que a dotação atual de R$ 960 milhões. 

Até o momento, apenas R$ 333 mil dessas emendas foram empenhadas, para ações na Educação. O Poder Executivo bloqueou R$ 1,722 bilhão em emendas de relator-geral, o que corresponde a quase 11% do total dessas despesas. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorInteração de consumidores com programas de fidelidade cresce 35,4% em 2021
Próximo artigoDia do Trabalhador: contrato de teletrabalho por jornada garante horas extras, segundo MP