Mato Grosso perdeu R$ 50 bilhões em 20 anos da Lei Kandir

Ednilson Aguiar/O Livre

 produtor rural

Dados da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) apontam que Mato Grosso deixou de arrecadar R$ 39,417 bilhões entre 1996 e 2016 por causa da desoneração imposta pela Lei Kandir. Desse montante, somente R$ 4,490 bilhões foram devolvidos ao Estado. O prejuízo total, ao longo desse período, foi de R$ 34,927 bilhões. Em valores atuais, corrigidos pelo IGP-DI, a perda total chega a R$ 50,1 bilhões em 20 anos.

Graças à Lei Kandir, desde 1996, os produtos primários e semielaborados destinados à exportação não pagam Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em todo o país. Somente os produtos vendidos dentro do Brasil pagam ICMS.

Se, por um lado, isso barateia os produtos no mercado externo, por outro lado, tira receita dos Estados – e Mato Grosso é o que mais perde arrecadação com isso.

Para compensar essa perda fiscal, o Governo Federal criou o Auxílio Financeiro para Fomento a Exportações (FEX), que compensa a desoneração das exportações. Mato Grosso, dono da maior fatia do FEX, recebeu em torno de R$ 400 milhões nos últimos anos – a desoneração, porém, está em mais de R$ 5 bilhões.

O gráfico abaixo mostra a evolução das perdas e da compensação desde que a lei foi criada:

Sefaz MT

Gráfico perdas Lei Kandir

O Estado perde tanto porque não há regras para a compensação. “Não existe uma regra de cálculo”, observou o consultor tributário Múcio Ribas, que foi fiscal da Sefaz e já atuou como adjunto da pasta. “A lei diz que tem que ter compensação, mas ela nem mesmo é obrigatória”, disse.

O consultor acredita, porém, que a desoneração foi fundamental para alavancar a economia mato-grossense no período, mas não tem pesquisas que quantifiquem o tamanho do impacto no mercado.

“O mecanismo foi importante para o crescimento da economia, pois aumentou a produção. Nosso produto ganha no exterior, mas dá prejuízo aos cofres públicos”, ponderou.

Segundo dados da Sefaz, o Produto Interno Bruto (PIB) de Mato Grosso foi de R$ 120 bilhões em 2016, dos quais R$ 63 bilhões vieram da agropecuária – um total de 52%. Desse montante, R$ 43 bilhões foram resultado da exportação, ou seja, 36% do PIB. Foram R$ 37 bilhões de exportações da agropecuária, o que corresponde a 86% do total exportado.

O gráfico abaixo mostra a evolução do PIB e da exportação mato-grossense no período:

Sefaz MT

Gráfico evolução PIB x exportações

Para Ribas, a solução é que Mato Grosso tribute as cargas que são vendidas para outros Estados. “Não faz sentido dar incentivos para a soja in natura”, observou, lembrando que a alíquota interestadual do produto é de 3%. “Poderia subir para 6%, que dobraria a arrecadação sem prejudicar o setor”, disse.

Segundo o economista Maurício Munhoz, a compensação era quase integral no início, mas foi caindo ao longo dos anos. Hoje, não chega a 10% das perdas (confira no primeiro gráfico). Ele afirma que a solução ideal para esse problema seria que o governo federal restituísse ao Estado o valor perdido com a desoneração.

Tramita no Senado o projeto de lei 288/2016, do senador Wellington Fagundes (PR), que tem o objetivo de obrigar a União a restituir integralmente as perdas. Munhoz considera improvável o texto ser aprovado sem alterações.

“Basta que haja a decisão política do governo federal para aumentar a compensação. É improvável que a compensação seja de 100%, mas se chegar a 20%, já vai ser mais que o dobro do que recebemos hoje e não será preciso cobrar do produtor”, disse.

Múcio Ribas também não acredita que os Estados consigam chegar a uma compensação de 100%. “Eles pedem tudo para ver se conseguem alguma coisa”, observou.

O plano B, na avaliação de Munhoz, seria limitar as exportações – ou, na prática, taxar parte da produção. “Mato Grosso do Sul faz isso e tem dado resultado, porque aumenta a arrecadação sem diminuir a produção. Na prática, cerca de 20% da produção é taxada”, disse.

“Se você ouvir os produtores, eles vão dizer que não dá, que vão sair do Estado. Mas essa pressão é normal. Diminui um pouco a lucratividade deles, mas não cai a produção”, completou.

De outro lado, Ribas é contra limitar as exportações. “Mato Grosso já teve essa cota e abandonou. Goiás também está acabando com a cota e em breve somente Mato Grosso do Sul vai manter esse sistema. O mecanismo não consegue se sustentar”, afirmou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPrazo para reagendar perícia de auxílio-doença encerra nesta segunda-feira
Próximo artigoDescendente de sepultado no Cai-Cai lembra história e pede cuidado com espaço