Mato-grossenses devem gastar até R$ 78,89 bilhões ao longo do ano

Cálculo inclui gastos como saúde, escola, lazer, transporte e alimentação; confira

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Os mato-grossenses devem desembolsar, ao longo de 2019, aproximadamente R$ 78,89 bilhões para manter o custo de vida, incluindo gastos com lazer. O número foi revelado na pesquisa Índice de Potencial de Consumo (IPC) 2019 Maps, que apresenta informações demográficas e de potencial de consumo de todos os municípios brasileiros.

A pesquisa considera como gastos as alimentações dentro e fora de casa, bebidas, fumo, valor desembolsado para a manutenção da casa e construção, artigos de limpeza e vestuário, calçados, mobília, eletrodomésticos, transporte coletivo e gastos com veículos próprios, cuidados pessoais e higiene, saúde e medicamentos, livros e material escolar, matrículas e mensalidades, gastos com lazer na cidade e viagens, e outras despesas.

No ranking dos 50 municípios com maior potencial de consumo, Cuiabá é o único mato-grossense a aparecer, devendo ser responsável pela movimentação de R$ 16,49 bilhões.

A Capital ocupa o 36º lugar na listagem, que é encabeçada por São Paulo (SP). Sozinha, a maior metrópole do país deve movimentar R$ 361 bilhões.

Conforme a pesquisa, em geral, a região Centro Oeste deve ser responsável por 8,21% do consumo brasileiro, uma queda de 0,3% em relação a 2018. A maior movimentação é prevista no Sudeste, sendo 48,89%.

Para 2019, o maior gasto do brasileiro deve ser com a manutenção do lar: 26,8%, o equivalente a R$ 1,168 trilhão. Outras despesas, não listadas, devem movimentar 19% da economia, seguida por gastos com alimentação e com veículo próprio.

Em contrapartida, o menor consumo previsto é com vestuário (0,2%, equivalente a R$10,51 bilhões) e livros e material escolar (0,5%, que, em números exatos significa R$ 21,17 bilhões).

A pesquisa ainda revela que o maior gasto deve ser desprendido pela classe média. A expectativa é a de que, até o fim de 2019, esse público gaste R$ 1,67 trilhão. Em seguida vem a classe “C”, responsável por movimentar R$ 1,63 trilhão, e representando quase 48% das residências brasileiras.

A classe alta, por sua vez, sendo 2,45% dos brasileiros, deve gastar R$ 595,2 milhões.

Ao todo, a expectativa é que a economia movimente cerca de R$ 4,7 trilhões no Brasil, sendo que o interior dos estados deverão ser responsáveis por mais da metade dessa movimentação.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBolsonaro não minimizou questão do trabalho infantil, diz Damares
Próximo artigoPai coloca filhos em um saco plástico para fazer travessia para escola

O LIVRE ADS