Marrafon adota compliance para evitar corrupção na campanha

Ex-titular da Seduc concorre a deputado federal com bandeira de renovação na política

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O candidato a deputado federal Marco Marrafon (PPS) contratou um programa de compliance e auditoria de processos para sua campanha eleitoral. Ele contou que, em função do alto grau de corrupção verificado nas campanhas, desde o financiamento, decidiu adotar mecanismos de integridade, para moralizar o processo eleitoral e combater práticas ilícitas.

“Quando a gente discute a construção do que nós chamamos de uma nova política, percebemos a necessidade de pôr fim às velhas práticas. Eu acredito que é possível fazer uma política diferente, honesta e limpa, e isso começa desde a campanha eleitoral. Não concordo com a ideia de que para vencer vale tudo”, disse o candidato.

Com isso, segundo a assessoria, os contratos da campanha de Marrafon passam por controle interno e contém cláusulas anticorrupção, com seleção de empresas idôneas para prestar serviços e fornecer material. O programa prevê também um Código de Ética e Conduta, para orientar os colaboradores e todas as ações da campanha, monitoradas diariamente.

Ex-secretário de Educação (Seduc) e de Planejamento (Seplan) de Mato Grosso, Marrafon concorre pela primeira vez a um cargo eletivo e levanta a bandeira de renovação na política. Ele é integrante do movimento Agora! e foi selecionado pelo programa RenovaBR.

Marrafon assumiu o comando da Seduc depois do escândalo de corrupção desmantelado pela Operação Rêmora. Seu antecessor na pasta, Permínio Pinto (PSDB), chegou a ser preso e depois tornou-se delator do esquema de fraudes em obras de escolas. Segundo a assessoria, em sua gestão, Marrafon implantou algumas ações de compliance na pasta.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCasos de assédio são denunciados por universitárias e UFMT orienta a buscar seguranças
Próximo artigoToffoli toma posse hoje na presidência do STF