Mais um shopping? Projeto do novo Mercado Municipal de Cuiabá pode não sair do papel

União de lojistas acredita que o mercado para esse tipo de empreendimento já está saturado em Cuiabá e Várzea Grande. Isso sem falar na pandemia

A proposta da Prefeitura de Cuiabá de reconstruir o Mercado Municipal e transformar a área – localizada no centro da cidade – numa espécie de shopping center pode estar fadada ao fracasso. A Capital não suportaria mais um empreendimento do tipo e a culpa nem é da pandemia, que manteve o comércio fechado por um período do qual ainda não houve recuperação.

A avaliação é do presidente da União dos Lojistas de Shopping Centers de Mato Grosso (Unishop), Geraldo José do Prado. Ele lembra que Cuiabá e Várzea Grande, juntas, já têm cinco shoppings centers, uma média alta para a população de aproximadamente 900 mil pessoas (estimativa do IBGE).

Além disso, os shoppings que já existem estão “encolhendo” devido à queda na arrecadação provocada pelo isolamento social. Ao menos 50 lojistas fecharam as portas em estabelecimentos desse tipo só no primeiro trimestre deste ano. De abril e dezembro do ano passado, foram 80.

Segundo Prado, o cenário para quem mantém uma loja em um empreendimento do tipo até havia melhorado com as vendas de Natal e se manteve em janeiro deste ano. A segunda onda da pandemia e os novos decretos que limitaram o funcionamento, no entanto, fizeram as receitas dos lojistas caírem novamente.

“Quem ainda estava com um fluxo de caixa baixo, está numa situação nada favorável nesse momento”, ele diz.

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Bom para o interior

Outro fator que impacta o movimento dos shoppings, conforme o presidente, é o fato de as pessoas estarem viajando menos. Isso contribuiu para a redução do volume de clientes, muitos vinham do interior para a Capital do Estado.

Uma situação que causa um efeito exatamente inverso para o comércio dessas cidades. Sinop (500 km de Cuiabá), por exemplo, se prepara a inauguração de um shopping center ainda este ano.

“É uma cidade onde a gente viu uma estabilidade e uma sinergia maior entre o comércio e o poder público. Sinop praticamente não paralisou as atividades econômicas”, pontua Prado.

O novo Mercado Municipal

A proposta da Prefeitura de Cuiabá é que a iniciativa privada reconstrua o Mercado Municipal. E não é só isso. O investidor eventualmente interessado no projeto ainda teria que se comprometer a recuperar a área de entorno, criando espaços para estacionamento e dando aos usuários meios de locomoção que não impactassem negativamente a região das praças Alencastro e Ipiranga.

A Prefeitura também quer que o novo prédio tenha quatro andares, com espaço para comércio e espaços de convivência. E embora o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) diga que os estudos técnico, jurídico e financeiro estão prontos, não foi divulgada uma estimativa de quanto isso custará.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

  1. Na minha opinião, tem que reformar, modernizar, dar acessibilidade, mas tem que ter cara de feira, já estamos cheios de shopping, não queremos mais um, os responsáveis da prefeitura não enxerga isso, uma feira simples mas moderna, sem essa de andar e ter cara de shopping.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAdvogado gera “tensão” ao acusar delegado de show midiático
Próximo artigoIndígenas lançam site para vender joias e artesanato feitos em aldeias de MT