Mais infelizes e impacientes: pesquisa aponta quão mal anda a saúde mental do brasileiro

Após 15 meses de pandemia, maioria das pessoas se vê chorando mais e sorrindo menos

(Foto: Andrew Neel / Pexels)

Se você anda impaciente com outras pessoas, há tempos não experimenta aquela sensação de paz e tem chorado mais do que de costume, você não está sozinho. Uma pesquisa realizada com 1,8 mil brasileiros em maio apontou que esses têm sido sintomas comuns a muitas pessoas.

Quase 80% dos entrevistados disseram se sentir mais estressado e 71% responderam que têm dado menos risadas ao longo do dia. Além disso, 66% afirmaram que cresceu a impaciência para lidar com outras pessoas.

Também é consideravel a porcentagem de entrevistados que disseram estar chorando mais que o habitual: foram 54%.

A pesquisa foi realizada pela Hibou, empresa especializada em pesquisa e monitoramento de mercados. Ligia Mello, coordenadora do estudo aponta para uma possível causa dessa situação, um fenômeno que a Organização Mundial de Saúde (OMS) chamou de “fadiga pandêmica”.

No levantamento, 80% dos entrevistados disseram que se sentem mais cansados.

(Foto: Andrea Piacquadio / Pexels)

“A OMS já reconheceu este momento de cansaço como ‘fadiga pandêmica’, uma consequência do esgotamento gerado pelo medo de um vírus que ninguém vê e de todas as mudanças do dia a dia”, diz Lígia, que completa: “o excesso de informação e a frustração das incertezas causa uma angústia que afeta diretamente a relação com o outro”.

Quase 85% dos entrevistados que estão em um relacionamento afirmam passar mas tempo juntos não fez, por exemplo, aumentar a frequência do sexo. E apenas 6%  conseguiram iniciar um relacionamento neste período.

Outros hábitos do cotidiano também mudaram, 58% das pessoas disseram que não estão se alimentando corretamente, sendo que 68% estão consumindo mais doces. Além disso,  mais de 56% não têm conseguido dormir direito.

LEIA TAMBÉM

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEstudo comprova que Ivermectina reduz em 56% as mortes por covid-19
Próximo artigoCovid-19: anticorpos podem durar até 12 meses após infecção