Mais esperança na sua maratona: essa lista de filmes vai contagiar seu coração

Dramas de tirar o fôlego de qualquer mortal

Um mocinho, várias dificuldades e um “gran finale”. Estes são os elementos essenciais de um drama clássico. Daqueles que rendem corações aflito pelos obstáculos do trajeto, porém trazem o alívio da conquista. Então, finalmente, a esperança vence.

E com o objetivo de reavivar o sentimento, que anda meio em baixa por conta da pandemia, o LIVRE fez uma lista com 5 filmes que nos mostram que a humanidade vale a pena.

São longas que nos revigoram em meio as notícias de criminalidade, doença e desamor.

Caso você tenha mais alguma sugestão, deixe nos comentários e contribua com o final de semana de quem nos acompanha por aqui.

1. Até o último homem

O médico do exército Desmond T. Doss realmente existiu e sua bibliografia serviu de base para o filme. Ele conta a história de um militar que vai para o fronte, durante a 2ª Guerra Mundial, porém se recusa a pegar em armas.

Por questões religiosas e éticas, Doss é um objetor de consciência, ou seja, uma pessoa que se recusa a fazer algo que não comungue com suas crenças. No caso dele, praticar  violência.

2. Lion: Uma Jornada Para Casa

Aos cinco anos de idade, o indiano Saroo se perdeu do irmão numa estação de trem de Calcutá e enfrentou grandes desafios para sobreviver sozinho, até ser adotado por uma família australiana.

Mas ele foi incapaz de superar o que aconteceu e aos 25 anos decide buscar uma forma de reencontrar sua família biológica.

3. O Solista

Um colunista do Los Angeles Times precisa dar um rumo à sua vida. Seu casamento não anda bem e ele não está feliz com seu trabalho.

Um dia, andando pelas ruas de Los Angeles, ele encontra um mendigo talentoso tocando um violino de apenas duas cordas e se interessa por sua história.

4. Para Sempre Alice

Alice Howland é professora de Harvard e especialista em linguística. Ela está feliz pelo que conseguiu construir, tanto a nível pessoal, quanto profissional.

No entanto, sua vida muda inesperadamente quando ela é diagnosticada com Alzheimer.

5. Nise

Nos anos 1950, uma psiquiatra contrária aos tratamentos convencionais para a época destinados aos pacientes de esquizofrenia é isolada pelos outros médicos.

Ela, então, assume o setor de terapia ocupacional, onde inicia uma nova forma de lidar com as pessoas: o amor e a arte.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOportunidade perdida?
Próximo artigoÁguas Cuiabá realiza parada programada nesta segunda-feira