Mais de 60% dos brasileiros concordam em adiar as eleições para 2022

Pesquisa foi realizada neste mês com eleitores de quase 500 cidades espalhadas por 25 Estados do país

(Foto: Arquivo/Agência Brasil)

Quase 63% dos brasileiros quer o adiamento das eleições municipais deste ano. Pelo menos é o que aponta uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), divulgada nesta terça-feira (12).

Conforme o levantamento, os entrevistados apoiam a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de autoria do senador Wellington Fagundes (PL), que sugere unir as eleições municipais com as gerais, em 2022.

A pesquisa foi realizada pelo entre 7 e 10 de maio, em 494 municípios de 25 Estados.

Dentre os entrevistados, só 30,4% defenderam que as eleições sejam mantidas em outubro deste ano, independentemente dos impactos da pandemia de covid-19. O restante (7,1%) não soube ou não quis opinar.

A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

Wellington Fagundes apresentou a PEC motivado pela crise do novo coronavírus. E com o Brasil se aproximando das 12 mil mortes, o senador acredita já ser “inevitável” que as eleições sejam adiadas.

Ele reconhece que a aceitação à proposta por parte da população possa ter relação com a pandemia, mas também acredita que reduzir o número de eleições no país – já que todos os cargos seriam escolhidos em um único pleito – seja de interesse da maior parte dos brasileiros.

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Ainda conforme o senador, a exemplo das ruas, também já existe maioria no Congresso Nacional a favor do adiamento.

Justiça Eleitoral

Em meados de abril, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou um pedido apresentado pelo senador Major Olímpio (PSL/SP) para adiar as eleições de outubro. Na época, a ministra Rosa Weber disse que uma decisão nesse sentido extrapolaria os limites da Justiça Eleitoral.

No início de maio, no entanto, o ministro Luís Roberto Barroso – próximo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) – reconheceu a possibilidade de uma mudança no cronograma, dada a situação de pandemia no país.

LEIA TAMBÉM

A PEC de Wellington Fagundes ainda não tem data para ser apreciada no Congresso. O senador acredita, todavia, que isso deve ocorrer ainda nas primeiras semanas do segundo semestre do ano, em conjunto pela Câmara Federal e Senado.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. CONCORDO PLENAMENTE A UNIFICAÇÃO PRA 2022 É INACEITÁVEL A ELEIÇÃO AGORA NESSA SITUAÇÃO QUÊ HJ O BRASIL SE ENCONTRA .PRECISAMOS USAR O FUNDÃO MAS RÁPIDO POSSÍVEL

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProdução de soja deve bater recorde em 2020 e quase um terço é de MT
Próximo artigoNeta adolescente furta TV do próprio avô e leva para casa dela

O LIVRE ADS