Mais de 100 caminhões foram escoltados em MT durante a greve

Desse total, dois eram caminhões vazios e os outros 100 contavam com itens como: grãos, etanol, gasolina, diesel, ração animal, encomenda dos Correios, etc.

Negociação da PRF com os caminhoneiros (Foto: PRF)

Cento e dois caminhões foram escoltados nas rodovias de Mato Grosso entre segunda (28) e terça-feira (29), dias em que o movimento de greve ainda está ativo. Os veículos que fazem o transporte de insumos essenciais foram escoltados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), Exército Brasileiro e as forças de segurança pública estadual.

Desse total, dois eram caminhões vazios e os outros 100 contavam com itens como: grãos, etanol, gasolina, diesel, ração animal, encomenda dos Correios, gás de cozinha, carga viva, explosivo, suínos, carne, entre outros materiais. Há ainda uma força-tarefa para chegar diesel nas usinas termelétricas de Querência e no Distrito de Guariba.

Até o momento já foram realizadas ao todo 26 escoltas em 23 municípios. Durante reunião do Comitê de Crise, ocorrida no Palácio Paiaguás, informa a assessoria de imprensa do governo, no final da tarde desta terça-feira, foram debatidas ações da Segurança Pública em curso no estado.

O governador de Mato Grosso, Pedro Taques, afirmou que houve atuação conjunta dos diversos setores, como secretarias estaduais, sindicatos e Exército Brasileiro.

O secretário de Estado de Segurança Pública, Gustavo Garcia, afirmou que, apesar do clima de caos gerado pela greve, não houve aumento nos índices criminais desde o início da paralisação dos caminhoneiros, que entrou no nono dia. “Na questão segurança pública a situação em Mato Grosso está controlada e todas as viaturas estão abastecidas”.

O abastecimento dos automóveis do Corpo de Bombeiros, Polícia Judiciária Civil e Polícia Militar foi reforçado pelos respectivos representantes das instituições. “Estamos dando apoio ao Exército Brasileiro e garantindo o policiamento nas cidades”, disse o subchefe de Estado Maior, coronel PM Delwison Sebastião Maia da Cruz.

A delegada-geral adjunta da Polícia Judiciária Civil, Silvia Pauluzi, pontuou que está sendo ofertado apoio para a segurança e que todos estão de prontidão para dar suporte caso tenha necessidade de ações ostensivas.

De acordo com o tenente-coronel do Exército Luciano Bonomo, reuniões de planejamento das atividades em relação a paralisação estão ocorrendo com frequência. O inspetor da Polícia Rodoviária Federal (PRF) Helton Carvalho ressaltou que existe aceitação da maioria dos caminhoneiros para cessar os bloqueios que ainda existem em Mato Grosso.cleardot.gif (Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTemer, Maia e Eunício pedem que caminhoneiros voltem ao trabalho
Próximo artigoPerdas no comércio chegam a R$ 3,1 bi em seis estados, aponta CNC