Maioria dos deputados de MT aprova reforma na lei de improbidade

Projeto foi aprovado em urgência na Câmara Federal

(Najara Araujo/Câmara dos Deputados)

Sete deputados federais de Mato Grosso votaram a favor do projeto de lei que reforma a lei de improbidade administrativa no país. A Câmara Federal votou a proposta nessa quarta-feira (16) em regime de urgência. 

O projeto de lei nº 10.887/2018 foi aprovado por 408 votos contra 67 sem passar por comissões parlamentares ou por audiência pública para discussão do tema. 

José Medeiros (Podemos-MT) foi o único dos oito deputados de Mato Grosso a vetar o texto-base. Segundo ele, o projeto aprovado flexibiliza o combate à corrupção, principalmente com o desvio da finalidade da aplicação do dinheiro público. 

“A improbidade não é só o desvio do dinheiro em si, mas também o desvio da finalidade. O desvio da finalidade também mata, prejudica a sociedade. Eu sinto que é necessário que haja um arcabouço jurídico que possa tipificar esses crimes”, disse. 

Comprovação de culpa 

Medeiros faz referência à modificação no projeto de reforma da regra para a investigação de gestores. O Ministério Público passa a ser obrigado a comprovar se houve intenção e má-fé do gestor (crime culposo) para desvio nas ações dos gestores. 

Hoje, pode ocorrer condenação com base em crimes dolosos, que são justificados por descuido ou desconhecimento dos gestores das leis administrativas. 

O presidente da Associação Mato-grossense do Ministério Público (AMMP), promotor Roberto Turin, diz que a abertura de inquérito é a última opção na análise das irregularidades. 

Regulação 

A deputada federal Rosa Neide (PT) afirma que a proposta regula o que é lei de improbidade no país. Por exemplo, a definição dos papeis do Ministério Público e das procuradorias nos processos investigativos. 

“Eu votei contra retirar das procuradorias o direito de intervenções diretas junto ao Ministério Público. [Mas], há muito injustiça. Muitas vezes fica difícil para uma pessoa que quer ser gestor com toda honestidade, porque qualquer coisa vira improbidade”, disse. 

A reforma também modifica os prazos de investigação dos gestores e validade das informações levantadas. De modo geral, os inquéritos passam ao prazo de 180 dias a prescrição após limite de 8 anos, contando com o tempo de mandato. 

O relator do projeto de lei, deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP), tirou do texto a parte que, segundo especialistas, deixava brecha para o nepotismo. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. Que hipocrisia desses xomanos.
    Bando de safados esses Deputados que querem se brindar e escapar dos desvios cometidos. Assim, começando por aqui chegando até no Congresso, só farinha do mesmo saco!!!!

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEscritório de advocacia é condenado por assédio moral contra estudante
Próximo artigoVacinação: prefeitura abre cadastro para pessoas de 50, 51 e 52 anos sem comorbidades