Maior buraco já detectado na camada de ozônio do Ártico se fecha

Ele foi descoberto por cientistas em março

ESA/Reprodução

Um buraco gigantesco detectado na camada de ozônio situado no Ártico foi descoberto por cientistas em março. O maior já registrado na região, também desapareceu rapidamente.

A camada de ozônio serve como barreira para os raios ultravioletas, provenientes do Sol, que podem gerar graves problemas de saúde, como o câncer de pele. Segundo a Agência Espacial Europeia (ESA), o fenômeno não está ligado a qualquer tipo de atividade humana e tampouco às restrições impostas pelo coronavírus.

Outro fato curioso é que o buraco não surgiu por causa da poluição. A causa e também sua solução está ligada a um vórtice polar de ar frio que teve sua força reduzida e permitiu que o buraco se fechasse.

A ESA relatou que um evento dessas proporções é raro no Polo Norte, porque a região não tem as condições de temperatura adequadas, em torno de 80º C negativos.

O Polo Norte é mais quente que o Polo Sul pois se encontra no nível do mar, e o oceano funciona como um reservatório de calor. Enquanto isso, o Polo Sul está 2.800 metros acima do nível do mar, e portanto, é bem mais gelado.

O vórtice é um fenômeno anual no Polo Sul e ocorre durante o outono (de março a junho). Lá, o buraco na camada de ozônio pode atingir 25 milhões de quilômetros quadrados e durar os três meses que percorrem a estação.

Felizmente, a cada ano, o buraco surge ainda menor. No acompanhamento de uma década, já foi observado uma diminuição de 1% a 3%, dizem os pesquisadores.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCompras por aplicativos têm alta de 30% durante pandemia, diz pesquisa
Próximo artigoTio é preso por abusar de sobrinho que implorou para não ser estuprado