Mãe luta pela vida de filho esquizofrênico que deixou RJ e se envolveu em crime em Cuiabá

Jovem que, medicado, ganhou medalhas por atuar como instrutor por oito anos em projeto de jiu-jitsu da PM, foi atingido por tiros por supostamente participar de um assalto

(Foto: arquivo pessoal)

Diagnosticado com esquizofrenia e dependência de múltiplas drogas, ele é considerado inimputável – não pode ser responsabilizado ou punido por seus atos, desde 2018. Apesar da informação estar registrada em sua carteira de identidade, Shermam de Oliveira Santos, 36, conseguiu deixar o Rio de Janeiro pelo aeroporto Santos Dumont e, em Cuiabá, após uso de álcool e drogas, se envolveu numa tentativa de roubo que o deixou ferido com quatro tiros.

O caso foi registrado no dia 9 de agosto deste ano e Shermam foi encaminhado para o Pronto Socorro Municipal de Cuiabá (PSMC), onde passou por várias cirurgias e se encontra em estado grave, na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Desde que soube da situação do filho, a terapeuta e naturopata Hortência de Oliveira, 58 anos, pediu ajuda da Defensoria Pública de Mato Grosso.

Shermam está internado em estado grave (Foto: Arquivo pessoal)

Pois, mesmo com o laudo de esquizofrenia e carimbo de “interdito” no documento, Santos teve a prisão em flagrante convertida em preventiva, pela Justiça, durante audiência de custódia, na qual ele não compareceu, por estar gravemente ferido. Paralelo a isso, o defensor que atuou no caso, Luís Fernando Navarro, afirma que não foi coletada a manifestação da defesa, antes da decisão. No processo, consta apenas parecer do Ministério Público.

Diante disso, no dia 13 de agosto, Navarro apresentou manifestação pedindo a revogação da prisão ou conversão dela em prisão domiciliar. Na mesma data, a juíza Maria Rose Borba, considerou o segundo pedido e foi expedida ordem judicial para que, quando tiver alta médica, Santos volte para o Rio de Janeiro, sob a guarda de sua mãe.

Saúde

Com a etapa jurídica solucionada, Hortência, que está em Cuiabá desde o dia 25 de agosto, apela desesperada para que “salvem” o seu filho. Ela afirma que a situação dele é grave e que ele precisa fazer uso de medicação psiquiátrica contínua, para inclusive, auxiliar em sua imunidade, baixar a ansiedade e os transtornos. Ela afirma, porém, que ele não está recebendo essa medicação.

“Eu faço um apelo para que ajudem meu filho. Ele é completamente dependente de mim, foi operado, mas a situação dele é gravíssima. Agradeço a toda a equipe do hospital, mas sei também que uma pessoa que entra no sistema de saúde acusada de um crime é estigmatizada. Ele, porém, não sabe o que faz. Tem uma história de vida muito linda e muito triste ao mesmo tempo. Tudo que eu quero é levar meu filho de volta pra casa”, apela desesperada.

Hortência conta que está hospedada, de favor, na casa de uma pessoa que conheceu no PSMC e se sensibilizou com a sua história e de seu filho. Ela afirma que teve muita ajuda do defensor público do Núcleo de Execução Penal (NEP), José Carlos Evangelista, que chegou a visitar Santos no hospital, encaminhar o caso para o colega competente e, posteriormente, garantir que ela, como mãe, recebesse os boletins médicos.

“Recebi um boletim médico dizendo que ele tinha tido uma leve piora no dia 24 e fiz um apelo à uma enfermeira, pedi que ela dissesse a meu filho, em seu ouvido, que a mãe dele faria tudo para vir a Cuiabá imediatamente e assim ela fez e eu fiz. Ele reagiu bem. Porém, agora, sei que ele está com febre, teve piora do quadro e temo pela vida dele. Estou longe de casa, sem informações sobre que tratamento ele está recebendo, estou desesperada”.

Hortência foi informada que o filho havia sido baleado por uma ligação do Serviço Móvel de Urgência (SAMU), no dia 9 de agosto, quando ele foi socorrido. Desde então, ela entrou em contato com o defensor do NEP. O defensor explica que, diante do apelo da mãe e das condições dadas aos doentes mentais pelo Estado, decidiu verificar a situação.

O defensor público José Evangelista acompanha o caso (Foto: Divulgação / DPE)

“Desde que tomei conhecimento dessa história, não medi esforços para acompanhar, pois as vítimas de saúde mental sofrem muito no sistema. A partir de 2018 acompanho esse tema, e vejo que a estrutura não está preparada para atendê-los. Eles não têm proteção adequada, estrutura adequada de tratamento e ainda sofrem esse estigma de serem bandidos, quando, na verdade, são como crianças, nem responsabilizados pelo que fazem podem ser. Desde a aprovação da lei antimanicomial, o Estado não se organizou para atender os doentes mentais”, afirma José Evangelista.

O defensor lembra que o Estado precisa, urgente, com todas as suas instituições, planejar e executar políticas públicas para esse grupo populacional. “Pela história que ela me contou, ele nem poderia ter deixado o Rio de Janeiro, deveria ser barrado no embarque, ele, não responde por si”, reforça.

História

Hortência conta que se separou do pai de Santos, um oficial da Marinha, quando o filho tinha oito anos e que quando ele tinha 13, descobriu que ele estava usando maconha.

“Meus filhos, tenho dois, sempre foram muito educados, obedientes, e eu os ensinei a não mentir. Um dia o abordei e ele contou que fazia uso. Eu o repreendi, mas na época, eu trabalhava muito, morava na Baixada Fluminense, éramos cercado pelo tráfico. Com a separação, nosso padrão caiu e matriculei meu filho numa escola pública. Foi lá que ele teve contato com drogas”.

Quando o filho tinha 17 anos, ela conta que encontrou 13 trouxinhas de maconha numa caixa de sapato, denunciou o filho na Delegacia de Polícia e entregou o material. Ele respondeu processo como adolescente. E, orientada pela Polícia, mudou para Nova Iguaçu e a vida entrou nos trilhos de novo. Ela afirma que ele estava no início do curso de direito e ela trabalhando e ganhando bem.

Shermam e a mãe (Foto: Arquivo pessoal)

“Nossa vida era maravilhosa de novo e ele disse que ia fazer currículo e entregar nos shoppings para trabalhar de freela no final de ano, era costume dos universitários isso. Ele foi, no caminho encontrou um conhecido, e me avisou que sairiam e depois ele voltaria pro jantar, não voltou. Foi com o Márcio para um ensaio de carnaval e lá, disse que um rapaz o chamou pelo nome, quando voltavam pra casa, e cobrou a droga que eu entreguei em 2003 pra Polícia. Ele contou que foi espancado e obrigado a dirigir para que eles fizessem um ‘arrastão’”.

Sistema Prisional

Na data do crime, Hortência conta que o filho, ao ver a viatura da Polícia, deixou o volante do carro onde estava com os assaltantes e correu na direção dos militares. Foi baleado por eles com um tiro de fuzil e ficou de cadeira de rodas. Com 22 anos, entrou no sistema prisional pela primeira vez, no ano de 2004. No ano seguinte foi condenado a 16 anos e seis meses de prisão por tentativa de roubo. Ele cumpriu oito anos de pena em Bangu 5.

“Eu achei que meu filho tinha me traído nessa ocasião, não queria vê-lo ou falar com ele. Mas, quando fui na delegacia, a delegada me disse que ele tinha sido usado como ‘bucha’ e ela virou testemunha de defesa dele. Porém, os traficantes se livraram sem ficar um dia presos e ele, condenado a uma pena elevada. Depois disso, ele se afundou nas drogas, vivia catatônico, foi e voltou para o sistema, tentou se matar e eu virei ativista dos direitos humanos para tentar protegê-lo. Minha vida é essa, cuido dele como se ele fosse uma criança”.

Ao fim da pena, Hortência afirma que o filho atuou como instrutor de jiu-jitsu de um projeto da PM, por oito anos, ganhou medalhas e medicado, vivia bem. Porém, afirma que sempre que ele tem contato com o pai, se desestabiliza. Em 2018, laudos indicaram sua doença mental. “Ele sempre quis chamar a atenção do pai, que sempre o desmoralizou. Mas, ama o pai e sempre se afunda depois de ter contato com ele. O que posso dizer, é que vou lutar por meu filho e pela saúde dele”.

Mãe diz que o filho atuou como instrutor de jiu-jitsu de um projeto da PM e ganhou medalhas (Foto: Arquivo pessoal)

Santos mora com a mãe e no dia que veio para Cuiabá, teria ligado para ela e avisado o que estava fazendo. “Só quando ele chegou em Cuiabá e me mandou uma foto, acreditei. Mesmo sem conhecer ninguém na cidade foi para uma boate, bebeu, usou drogas e fez o que fez. Essa é minha luta”.

Neste sábado (28), o defensor José Evangelista oficiou o Pronto-Socorro a prestar informações sobre os exames de sangue de Santos à Hortência, assim como pediu que um médico psiquiatra faça atendimento e prescrição de medicamentos para ele. Caso não haja a medicação no Hospital, que aceitem que a mãe forneça.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno Federal deve arrecadar R$ 100 bilhões com venda de imóveis
Próximo artigoHomem é preso por agredir companheira advogada com cintadas e tentar subornar policiais