Madrasta é indiciada por envenenar criança de 11 anos para receber seguro de R$ 800 mil

A mulher também é suspeita de ter matado o avô da menina, com quem ela morava em Cuiabá

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Jaira Gonçalves de Arruda, de 42 anos, foi indiciada pela Polícia Civil de Mato Grosso por homicídio duplamente qualificado. Ela é acusada de envenenar a enteada, Mirella Poliane Chue de Oliveira, de apenas 11 anos. A motivação seria uma indenização de R$ 800 mil que a menina receberia.

A morte de Mirella foi constatada em junho deste ano, depois que ela foi levada a um hospital particular de Cuiabá, já sem vida. Na época, foram cogitadas as possibilidades de abuso sexual e suspeita de meningite. Depois, laudo do Instituto Médico Legal descartou o abuso.

A causa “indeterminada” da morte passou a ser investigada pela Delegacia Especializada de Defesa da Criança e do Adolescente (Deddica), de Cuiabá.

A mulher foi ouvida logo depois da morte da criança, e contou que era sua madrasta desde que ela tinha dois anos. Falou ainda que, por isso, se considerava mãe da menina.

Jaira também afirmou que Mirella começou a ficar doente dois meses antes da morte, ainda em abril. Os sintomas eram dor de cabeça, tontura, dor de barriga e vômito, segundo ela.

Exames da Politec apontaram duas substâncias no sangue da criança. Uma delas seria um veneno que provocava intoxicação crônica ou aguda e leva à morte.

Mas ainda restava entender como ela havia sido envenenada, quem cometeu o crime e o motivo.

Foi então que a Deddica desvendou o envenenamento. A Polícia Civil esclareceu que Mirella teria recebido R$ 800 mil de indenização. O valor foi pago por causa da morte de sua mãe, devido a um erro médico em seu parto.

Os investigadores concluíram que o crime foi premeditado. Por dois meses, a mulher administrava doses diárias do veneno na menina. Foi desencadeada, então, a Operação Branca de Neve, que resultou na prisão da madrasta.

Conforme a Polícia Civil, o pai de Mirella não sabia o que a companheira fazia. Por isso, ele não foi indiciado. “A madrasta conduzia e tinha controle de todas as situações na família – financeira, educação, saúde e demais cuidados com a criança”, concluiu a polícia.

Também matou o avô?

As investigações também revelaram a possibilidade de que Jaira tenha matado o avô paterno de Mirella. O homem, Edson Emanoel, morreu em março de 2018, e era com ele que a criança morava até a data. Depois de sua morte, a menina passou a morar com a madrasta.

Para tentar confirmar a suspeita, a Polícia Civil pediu a exumação do corpo. No entanto, explicou que, devido ao tempo, pode não ser possível encontrar vestígios. O caso vai ser investigado pela Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP).

Já quanto ao dinheiro de Mirella, ele seria depositado este ano, no nome da criança. Ele é resultado de uma briga judicial de 10 anos, movida pelos avós maternos da menina.

Mirella só poderia movimentar o valor depois de adulta. Contudo, a Justiça autorizou que uma pequena quantia fosse usada nas despesas da criança.

Com a conclusão do inquérito, a Justiça já decretou a prisão preventiva da mulher. que estava presa temporariamente desde setembro. Agora, ele deve permanecer no presídio feminino Ana Maria do Couto. (Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSaque do FGTS pode ir a R$ 998; entenda o projeto aprovado na Câmara
Próximo artigoPatente cai, salário fica

O LIVRE ADS