Lucimar quer investir mais de R$5 milhões em reformas de escolas de VG

Ao todo, 23 unidades educacionais passarão por manutenção; meta é reformar todas unidades até 2020

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A prefeita de Várzea Grande, Lucimar Sacre de Campos (DEM), pretende investir pouco mais de R$5,2 milhões na reforma de 23 unidades educacionais do município. A gestora anunciou o investimento durante a entrega de 28 mil uniformes escolares para os alunos da rede pública municipal, na tarde dessa segunda-feira (15).

Essa já é a terceira entrega de uniformes consecutiva realizada pela Prefeitura de Várzea Grande. Na oportunidade, a prefeita assinou a ordem de serviço para a reforma e manutenção das unidades, entre elas nove escolas municipais de Educação Básica (EMEB), sete Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI), o Núcleo Tecnológico e o Ginásio Poliesportivo Jorge Mussa.

Somente para este ano, a Secretaria Municipal de Educação contará com recursos na ordem de R$105 milhões. Até o final de seu mandato, Lucimar tem a ousada meta de reformar todas as unidades escolares.

De acordo com o secretário da Pasta, Silvio Fidelis, antes da gestão da democrata, Várzea Grande possuía 20 mil alunos na rede pública municipal. Este número chegou a pouco mais de 27 mil alunos neste ano, ou seja, um aumento de 7 mil estudantes matriculados.

“Todo o trabalho realizado, junto à valorização profissional, garantindo o piso salarial do professor, a realização de concurso e a dinâmica de organização dos trabalhos educacionais a serem desenvolvidos dentro do planejamento estratégico da Pasta, contribuíram para os resultados positivos na melhoria do ensino público”, avaliou o secretário municipal de Educação.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFalhas do HBO Go na estreia da temporada final de Game of Thrones irritam assinantes
Próximo artigoProcuradora diz a CPI que a sonegação compensa no Brasil