Loterias apostam em liminar no STF contra privatização da Lotex

As loterias estaduais, capitaneadas pelo Rio e pelo Piauí, apostam numa ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender o processo de concessão da Lotex

loterias-estaduais-apostam-em-liminar-no-stf-para-suspender-privatizacao-da-lotex

As loterias estaduais, capitaneadas pelo Rio e pelo Piauí, apostam numa ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender o processo de concessão da Lotex, serviço de loterias instantâneas, como as “raspadinhas”, hoje a cargo da Caixa Econômica Federal. Representantes do Ministério da Fazenda e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por sua vez, demonstraram confiança numa súmula vinculante do próprio STF, de 2007, para garantir o leilão de concessão, previsto para dezembro.

“O princípio que a SEAE (Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda) está partindo é que existe um monopólio do jogo para a União. A gente não concorda com isso, até porque estamos operando há mais de 70 anos”, disse o presidente da Loterj, Sergio Ricardo de Almeida, que participou da audiência pública sobre o processo de privatização da Lotex, que acabou no início da tarde desta terça-feira, 26, no Rio.

Almeida e outros representantes das loterias estaduais pediram a palavra na audiência pública para “alertar” investidores sobre a judicialização da questão. Segundo o presidente da Loterj, o próprio governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB) é o autor da ação no STF, que tem o Piauí também como autor. Almeida espera que Minas Gerais e Ceará também se associem na ação.

A crítica de Almeida é em relação ao monopólio. O modelo de concessão da Lotex prevê que o vencedor do leilão terá o monopólio do serviço por 25 anos. Para o presidente da Loterj, os Estados deveriam ter também poder concedente, usando as loterias como fonte de arrecadação, mas o modelo de concessão desenhado pelo governo federal deixa com a União a maior parte dos recursos.

O subsecretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Alexandre Manoel, presente na audiência, lembrou da súmula vinculante de 2007, na qual o STF estabeleceu que apenas a União pode legislar sobre loterias. “Se a União tem competência para legislar, pode escolher quem opera”, afirmou Manoel, demonstrando convicção de que o STF, ao ser instado a se manifestar nessa nova ação, manterá a decisão de 2007.

Segundo Guilherme Albuquerque, chefe de departamento do BNDES responsável pela concessão da Lotex, que durante a audiência pública destacou o marco legal “estabelecido” para o setor, a disputa na Justiça não diminui o interesse de investidores pela concessão.

“Os investidores estão aqui acompanhando e querendo entrar no Brasil há bastante tempo. Eles conhecem bem esse histórico e tem acompanhado isso”, afirmou Albuquerque, lembrando que o contrato de concessão prevê mecanismos de reequilíbrio econômico no caso de haver perda do monopólio do serviço.

(Com Agência Estado)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorUFMT diz que Secid aprovou valor de obras de drenagem de viaduto
Próximo artigoAACC faz campanha para arrecadar brinquedos para o Dia das Crianças

O LIVRE ADS