Livraria Janina fecha loja do Shopping Pantanal

Empresa manterá atividades no ambiente on line e nas lojas do Centro e de VG

Imagem Ilustrativa (Foto: Freepik)

A partir de sexta-feira (20), a livraria Janina do Shopping Pantanal irá encerrar as atividades. De acordo com a empresa, ela continuará atendendo pelo e-commerce e nas demais unidades – Centro e Várzea Grande Shopping.

O motivo do encerramento das atividades no local é o crescimento das vendas via e-commerce durante a pandemia. As vendas no site da empresa cresceram 50%, representando 30% do seu faturamento hoje.

Diante deste novo cenário, a empresa reforçou a segurança nas compras on-line com o objetivo de dar mais confiabilidade ao leitor na hora de realizar a sua aquisição através do seu site www.janina.com.br, contratando ferramentas como o cloudflare, verisign e cielo cash.

Vale reforçar a importância da estrutura física, tendo em vista que muitos consumidores ainda preferem ir até uma loja para fazer sua escolha pessoalmente, tendo a oportunidade de ouvir sugestões dos atendentes, sentir o cheiro do livro, e folheá-los para escolher, diante disso, a empresa mantém suas lojas físicas no Centro (Avenida Getúlio Vargas, 15) e no Várzea Grande Shopping, com mais de 90 mil livros e 20 mil itens de papelaria a pronta entrega.

A nova unidade Centro foi inaugurada próxima à sede de sua fundação, no centro histórico, disponibilizando um espaço de 1000 metros quadrados, na esquina mais movimentada da cidade, para melhor receber os clientes, adaptados a todas as medidas de biossegurança.

Serviço:

Os canais de vendas on-line da Janina são:

  • www.janina.com.br
  • whatsapp (65 3622-1234)
  • instagram
  • google chat

(Com informações da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMPF recorre de sentença que absolveu Michel Temer e grupo do MDB
Próximo artigoPreso injustamente, homônimo de condenado pela Justiça passa 30 dias detido