Líder nacional? Governo de MT pede revisão dos dados sobre desmatamento no Brasil

Governo afirma que Ministério do Meio Ambiente não distingue desmatamento em áreas legalizadas dos praticados de forma ilegal

Reprodução MP

O governo de Mato Grosso vai pedir ao Ministério do Meio Ambiente uma revisão dos dados sobre o desmatamento, em especial, aqueles que apontam o Estado como líder nas ações de degradação.

Secretária estadual de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti diz que os números compilados pelo Ministério e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) não fazem distinção entre atos legais e ilegais.

“Nós temos um programa de combate ao desmatamento com fiscalização e monitoramento, e o que estamos pedindo ao Ministério é que considere o que é legal. Nossos dados mostram que 38% do desmatamento são legais”, disse.

A secretária preside a Associação Brasileira de Entidades do Meio Ambiente (Abema) que se reuniu na manhã de hoje (12), no Palácio Paiaguás, para debater as políticas e legislação ambientais.

Por esse cálculo, Mato Grosso ficaria com 62% de desmatamento ilegal. Mauren Lazzaretti disse que, no entanto, parte do desmatamento ocorre em área federal. “A secretária da Amazônia Legal participou da reunião e mostramos os dados”, acrescentou.

Também esteve na pauta as regras de licenciamento e a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que considerou inconstitucional, no fim de abril, a concessão automática de licença para empreendimento considerado de risco médio.

No mês passado, na apresentação do plano de combate às queimadas e desmatamento deste ano, a Sema mostrou números de avanço no controle das ações ilegais, mas abaixo do projetado pelo governo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA revolução PIX: quais foram as principais mudanças que trouxe?
Próximo artigoCensura nas redes: Instagram bloqueia live de Eduardo Bolsonaro