Licença ambiental: “não é um projeto de esquerda ou de direita”, diz Geller

Deputado por MT e relator de nova lei que tramitou no Congresso rebate críticas e diz que proposta é moderna e segura ao meio ambiente

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O deputado federal Neri Geller (PP-MT) rebateu as críticas de que as novas regras para emissão do licenciamento ambiental aprovadas pela Câmara dos Deputados sejam prejudiciais à sociedade ou ao meio ambiente.

Questionado a respeito das críticas proferidas por ex-ministros do Meio Ambiente ao texto da lei 3729/2004, Geller, que foi o relator do projeto de lei aprovado pelo plenário da Câmara dos Deputados no dia 13 deste mês, declarou que existe uma contaminação ideológica nos debates, enquanto o teor da lei deve ser estritamente técnico.

“Tem a discussão ideológica. Foi um projeto técnico e não alinhado com direita ou esquerda”, pontuou.

Redução da burocracia

Ex-ministro da Agricultura e atual vice-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), Geller diz que as exigências atuais para a concessão de licença ambiental pelos órgãos governamentais têm impedido a potencialização de investimentos pelo Brasil afora e cita exemplos do que considera necessidade de redução de burocracia.

“A obra de Tucuruí [Usina Hidrelétrica no Pará] ficou parada por quatro anos sem a manifestação do órgão competente. No texto que aprovamos, o Ibama e as secretarias de Meio Ambiente continuam se manifestando, mas com a devida ponderação”, disse.

Desejo da maioria

Ao mesmo tempo, o parlamentar mato-grossense diz que houve debates com diversas entidades de classe nos últimos meses e o Congresso Nacional aprovou o desejo da maioria.

“Esse projeto só tramitou no Congresso Nacional porque preserva e respeita o meio ambiente. A adesão foi condizente com o entendimento de que é necessária uma legislação moderna, que equilibre a produção econômica com a preservação ambiental. Dispensamos licenciamento para a atividade agropastoril, reciclagem de lixo e manutenção de rodovias.  Isso não precisa de licenciamento”.

Entre outras alterações, o texto da nova lei que disciplina o licenciamento ambiental, que ainda deverá ser submetido ao Senado para aprovação, dispensa a licença para obras de saneamento básico, manutenção de estradas e portos se forem consideradas de porte insignificante pela autoridade licenciadora.

A proposta, que ainda pode ser modificada por emendas quando chegar ao Senado, conta com forte apoio da bancada ruralista e de parlamentares da base do governo do presidente Jair Bolsonaro.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJustiça bloqueia contas bancárias e veículos de acusados de tráfico em MT
Próximo artigoGrampolândia: STF julga dia 28 pedido para trancar inquérito da Polícia Civil